logo
/ Divulgação / Divulgação
Social 21/10/2020

“Necessidade de sobrevivência”: Arnaldo Baptista, gênio dos Mutantes, rifa casaco antológico

A música foi um dos setores mais afetados pela pandemia da COVID-19. Na verdade, desde o fim da era do CD, cantores e compositores vinham arrecadando cada vez menos com direitos autorais. Logo, fazer muitos shows era uma das saídas para a crise no mercado fonográfico. Agora, com espetáculos de todos os tipos sendo cancelados, pouco restou à classe artística além das lives – geralmente não muito lucrativas.

Em junho, a carioca Angela Ro Ro, considerada uma das maiores vozes da Música Popular Brasileira, anunciou publicamente que estava passando por dificuldades financeiras. “Quem puder depositar apenas R$ 10, agradeço.” – Escreveu a autora de ‘Amor, meu grande amor’ em suas redes sociais, expondo seus dados bancários. Agora foi a vez do paulista Arnaldo Baptista, gênio dos Mutantes, pedir ajuda.

No dia 5 de outubro, Arnaldo – pianista virtuoso e principal compositor do trio de rock psicodélico que formou com a ex-mulher Rita Lee e o irmão Sergio Dias – anunciou que irá rifar seu antológico casaco inglês. A decisão foi comunicada através de sua conta oficial no Instagram.

O battledress vermelho foi comprado pelo autor de ‘Ando meio desligado’ e ‘Balada do louco’ na famosa Portobello Road, em Londres, durante uma turnê dos Mutantes pela Europa nos anos 70. A peça de roupa foi usada no videoclipe de ‘Será que eu vou virar bolor?’, faixa de abertura de ‘Lóki?’, seu primeiro álbum solo, e na capa de ‘Singing Alone’, seu trabalho seguinte.

Foram colocadas à venda duas mil rifas pelo preço de 50 reais cada. O sorteio irá acontecer quando 80% do número total de rifas estiver vendido. Nas redes, alguns compradores comentam que, caso ganhem o casaco, irão devolvê-lo a seu dono original.

Em 2008, Arnaldo Baptista foi eleito pela Rolling Stone o 22º maior artista da música brasileira, ficando na frente de ícones como Maria Bethânia, Heitor Villa-Lobos, Renato Russo, Gal Costa, Ney Matogrosso e Cazuza. A mesma revista incluiu 5 álbuns dos Mutantes na sua lista dos ‘100 maiores discos da música brasileira’, além de ‘Lóki?’ sua obra-prima confessional. Com um total de 6 álbuns, Arnaldo só não emplacou mais álbuns na lista que Caetano Veloso e Gilberto Gil (foram escolhidos 7 de Caetano e 7 de Gil).

Em 2008, um documentário sobre a sua vida foi lançado pelo Canal Brasil, apresentando entrevistas com fãs ilustres do músico, como Kurt Cobain e Sean Lennon. O filme foi premiado no Festival do Rio e na Mostra internacional de cinema de São Paulo.

Para participar da rifa do casaco antológico de Arnaldo Baptista, gênio dos Mutantes, clique aqui.