Foco

‘Encontro’: Mãe de adolescente atropelado e morto por modelo está ‘destruída pela dor’, diz tia

Modelo Bruno Krupp, que conduzia a moto em alta velocidade, está preso preventivamente

Ele foi flagrado em vídeo circulando em moto em alta velocidade

O programa “Encontro”, da TV Globo, voltou a repercutir na manhã desta quinta-feira (4) sobre o atropelamento que matou o adolescente João Gabriel Cardim Guimarães, de 16 anos, na orla da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. O modelo e influenciador digital Bruno Krupp, que conduzia uma motocicleta em alta velocidade, foi preso preventivamente por atingir a vítima. Uma mensagem exibida pelo matinal mostrou um desabafo de uma parente do menor sobre o caso.

Modelo que atropelou menor está preso preventivamente

“Minha irmã [mãe de Gabriel] está destruída pela dor. Nós todos também. Destruídos pela perda do único neto, do único filho”, escreveu uma tia do adolescente, Debora Cardim. Segundo Patrícia Poeta, ela relatou, ainda, que a mãe da vítima está sob o efeito de medicamentos para suportar esse momento.

Uma equipe do programa também esteve na Avenida Lúcio Costa, na altura do Posto 3, onde houve o acidente. A repórter Luiza Zveiter procurou pessoas que trabalham nos quiosques que ficam ao longo da via e ninguém quis gravar entrevista. Mas, informalmente, testemunhas relataram que o modelo costumava passar pelo local de moto sempre em alta velocidade.

A reportagem lembrou que, no momento do acidente, Krupp circulava a mais de 150 km/h na via cujo limite máximo é de 60 km/h. Além disso, o modelo não tem Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e chegou a ser parado em uma blitz da Lei Seca três dias antes do atropelamento, mas acabou liberado.

Isso ocorreu por causa de uma mudança no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), de outubro de 2021. O artigo 271 determina que “não caberá remoção do veículo em casos em que a irregularidade for sanada no local da infração e naqueles em que o veículo tenha condições de circulação em via pública.”

A nova regra entrou em vigor em abril deste ano, a partir de uma medida provisória editada por Jair Bolsonaro (PL) em maio de 2021, aprovada pelo Congresso em outubro e sancionada pelo presidente no mesmo mês.

Dessa forma, mesmo tendo sido parado na blitz, o modelo recebeu uma multa por estar sem a habilitação, por ter se recusado a soprar o bafômetro e por conduzir veículo sem placa. No entanto, acabou liberado em seguida.

Modelo se defendeu em vídeo

Bruno Krupp gravou um vídeo no qual se defendeu e destacou que o ocorrido se trata de um acidente: “Eu não bebi, não usei droga”, disse. As imagens foram feitas no hospital particular Marcos de Moraes, no Méier, onde ele segue internado, e divulgadas pelo site “Em Off” (veja abaixo).

O vídeo foi gravado na quarta-feira (3), depois que o modelo foi preso preventivamente. Na gravação, ele ressaltou que não queria ter causado a morte da vítima. “Gente, pelo amor de Deus, eu sou a última pessoa que queria que isso tivesse acontecido”, disse Krupp.

Ele ressaltou que não estava bêbado: “Eu não bebi, eu não usei droga. Foi um acidente, gente!”, disse ele, que também acusou os funcionários do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, para onde ele foi levado inicialmente, de o chamarem de “assassino” e de demorarem a prestar o atendimento médico. Ele teve alta da unidade no dia 31 e, em seguida, foi internado no hospital particular onde permanece.

“Eu fui levado de ambulância, não fugi do hospital, não fugi dos médicos. Eu estava morrendo no hospital, os empregados me tratando mal, batendo com a maca no corredor, me chamando de assassino, como se eu tivesse feito alguma coisa errada”, declarou ele.

Ele segue internado em hospital particular, mas foi preso preventivamente

Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro informou não há queixa do modelo sobre as “supostas condutas inadequadas” no hospital.

“A direção do Hospital Municipal Lourenço Jorge informa que o paciente Bruno Krupp foi atendido na noite de sábado após acidente de trânsito, passou por todos os cuidados e exames indicados, inclusive tomografia computadorizada, e teve alta no domingo. Em diversos momentos durante o atendimento ele expressou desejo de deixar a unidade e ir a um hospital da rede particular”, destacou a pasta.

“Não há registro de queixa do paciente sobre supostas condutas inadequadas por parte da equipe assistencial. Caso ele queira formalizar a reclamação, a direção do hospital abrirá um procedimento para apurar os fatos devidamente”, concluiu o texto.

O atropelamento

O atropelamento ocorreu por volta das 23h do último sábado (30) na Avenida Lúcio Costa, na altura do Posto 3. Câmeras de segurança mostraram Krupp circulando em alta velocidade momentos antes do atropelamento (veja abaixo):

Nas imagens é possível ver que, assim que Krupp passa na motocicleta, populares que estavam no quiosque se assustaram com a alta velocidade. Ao fundo, João Gabriel e sua mãe estavam atravessando a rua. Em seguida, as pessoas que aparecem no vídeo se mostram assustadas.

O adolescente teve uma perna amputada na hora e foi levado ao Hospital Municipal Lourenço Jorge. Ele passou por uma cirurgia, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Investigação

De acordo com a Polícia Civil, inicialmente, após o acidente, Krupp foi autuado por lesão corporal culposa provocada por atropelamento e falta de habilitação e proibição de dirigir veículo automotor. No entanto, com a morte da vítima, o caso passou a ser tratado como homicídio doloso no 16ª DP (Barra da Tijuca).

O pedido de prisão dele foi feito pelo delegado Aloysio Berardo Falcão de Paula Lopes, responsável pelas investigações. Segundo ele, o modelo demonstra outras passagens policiais por estupro e estelionato, “razão pela qual se faz necessária sua segregação cautelar, por meio de expedição de mando de prisão preventiva, visando garantir a ordem”.

O caso foi analisado pela juíza Maria Isabel Pena Pieranti, do plantão judicial do Tribunal de Justiça do Rio, que aceitou o pedido e expediu a prisão preventiva.

A magistrada destacou na decisão que o modelo “não é um novato nas sendas do crime” e que sua liberdade “comprometeria a ordem pública, sendo a sua constrição imprescindível para evitar o cometimento de crimes de idêntica natureza, podendo-se dizer que a medida visa também resguardar a sociedade de condutas que ele possa vir a praticar”.

O advogado William Pena, responsável pela defesa de Krupp, disse em entrevista ao site G1 que, antes do atropelamento, a moto de seu cliente teve uma pane nos freios.

“O que ele me disse hoje, logo antes de entrar pra cirurgia, foi que a moto deu uma pane no freio e ele perdeu o controle, porque ele se assustou com o rapaz voltando”, comentou o advogado.

LEIA TAMBÉM:

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos