Foco

Goleiro Bruno entra em campo e torcida rival cria ‘hino’ que cita morte de Eliza Samudio

Ex-goleiro do Flamengo foi preso em 2010, saiu em 2019 e atualmente joga pelo Atlético Carioca

Goleiro Bruno em campo pelo time Atlético Carioca.

Bruno Fernandes, ex-goleiro do Flamengo que foi preso em 2010 por participar do assassinato de Eliza Samudio, sua companheira, teve seu nome vaiado em jogo válido pela quarta divisão do campeonato Carioca no último domingo (31).

De acordo com o site Metrópoles, o atual goleiro do Atlético Carioca foi vaiado pela torcida do Belford Roxo. Além disso, a torcida rival criou um hino, algo comum nos estádios, citando o crime em que esteve envolvido. “Bruno vacilão, matou a Eliza para c… o Macarrão”. Macarrão é Luiz Henrique Ferreira Romão, também condenado pelo assassinato.

Ainda segundo o texto, Bruno saiu da prisão em 2019 e voltou a atuar profissionalmente em campo em 2022, no Rio de Janeiro.

LEIA TAMBÉM: Menino de 10 anos morre após se envolver em acidente em parque de diversões, em São Paulo

Assista ao vídeo que circula as redes sociais com o grito da torcida adversária.

“Foi cruel, foi horroroso”, escreve vidente em carta psicografada sobre o crime

Um vídeo publicado no Instagram da vidente Chaline Grazik relata o que ela diz ser uma carta psicografada de Eliza Samudio, morta em 2010. Na publicação, a vidente narra o ocorrido:

ALERTA DE GATILHOS EMOCIONAIS

“Foi cruel, foi horroroso. Eu tentava pedir socorro, mas ninguém me ouviu. Meu pescoço doía tanto, apertaram, até faltar oxigênio no meu corpo. Mas, neste momento, meu espírito saiu imediatamente do corpo. Ficou perto de uma árvore de onde vi tudo o que fizeram comigo. De repente, veio um homem mal-encarado, de pele morena e camiseta vermelha. Naquele dia eu não sabia quem era ele”.

Ainda segundo a postagem, o corpo estaria em um rio. “Decidiram me jogar num rio, que lembro nitidamente, um rio fétido. Pegaram uma madeira com fiapos e me bateram muito, até que meu corpo ficasse no fundo. Eles tinham cara de apavorados, mas mesmo assim cometeram o crime. Eu vi tudo, senti tudo”, finalizou.

Veja a publicação:

LEIA MAIS: Família se desespera ao abrir caixão e ver serragem ao invés de corpo de bebê

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos