Foco

Ômicron pode exigir uma quarta dose da vacina, diz CEO da Pfizer

Segundo executivo, reforço do imunizante pode ser necessário antes do que se previa

Remédio dos EUA poderá ser feito no Brasil pela Fiocruz

Uma quarta dose da vacina da Pfizer contra a covid-19 pode ser necessária proteger o indivíduo contra a variante Ômicron, informou CEO da farmacêutica, Albert Bourla.

O executivo havia planejado que a quarta dose poderia ser necessária 12 meses após a terceira. Contudo, em entrevista no programa em “Squawk Box” do canal de TV americano CNBC, disse que esse prazo poderia ser adiantado.

LEIA TAMBÉM:

Estudos sobre a Ômicron tem indicado que a mutação do vírus pode furar o escudo de proteção fornecido hoje pelas vacinas. Mas algumas pesquisas, incluindo uma publicado pela Pfizer e sua parceira BioNTech, sugerem que doses de reforço podem ajudar a controlar a variante, aumentando os anticorpos que combatem o vírus.

Na entrevista, Bourla comentou ainda sobre o estudo preliminar que mostrou que três doses da Pfizer são capazes de neutralizar a nova cepa. A pesquisa foi feita com base em uma cópia sintética da variante em laboratório, sendo necessário testar como isso vai funcionar no “mundo real”.

“Com a Ômicron, precisamos esperar para ver, porque temos poucas informações. Podemos precisar [da quarta dose] mais rápido”, afirmou.

Pílula antiviral

A Pfizer divulgou ontem os resultados de um estudo que confirmam a eficácia do antiviral Paxlovid no tratamento da covid-19.

Segundo comunicado, os testes indicaram que a pílula produzida pela farmacêutica reduziu em 89% o risco de internação ou morte em decorrência da doença entre os adultos mais vulneráveis ao vírus.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos