Foco

MT: Médico é condenado a 41 anos de prisão por matar namorada grávida

Vítima estava no quinto mês de gestação quando foi morta com pancadas na cabeça, em 2018

O médico Fernando Veríssimo de Carvalho, de 30 anos, foi condenado a 41 anos e oito meses de prisão por matar a namorada grávida, em Rondonópolis, no Mato Grosso. O crime ocorreu em novembro de 2018, quando a vítima, Beatriz Milano, de 23, estava no quinto mês de gestação.

O júri popular do médico estava previsto para o dia 20 de setembro, mas foi adiado e novamente retomado na quarta-feira (10). O julgamento levou cerca de 10 horas e terminou com a condenação dele pelos crimes de homicídio quadruplamente qualificado e aborto sem consentimento da vítima. Carvalho terá que cumprir a pena, inicialmente, em regime fechado.

O Metro World News não conseguiu localizar a defesa do médico para comentar o caso até a publicação desta reportagem.

LEIA TAMBÉM:

O crime

Segundo o processo, Beatriz foi encontrada morta na residência que o casal morava, em Rondonópolis, no dia 24 de novembro de 2018. Na ocasião, Carvalho acionou a Polícia Militar, dizendo que já tinha achado a namorada sem vida no quarto. Ela tinha sofrido uma pancada na cabeça, que provocou traumatismo craniano, e apresentava outros sinais de agressão.

Ao ser ouvido pela Polícia Civil, o médico disse que saiu com Beatriz para jantar no dia anterior à morte e que, ao retornarem para casa, a mulher foi dormir e ele ficou na sala fazendo o consumo de bebidas alcóolicas. Assim, o homem disse que adormeceu no sofá e, quando acordou, já encontrou a vítima sem vida.

Carvalho negou a autoria do crime e disse que eles pretendiam se casar. No entanto, a investigação apontou o médico como principal suspeito e ele foi preso em dezembro de 2018 na cidade de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, na casa dos pais. Depois, foi transferido para um presídio em Rondonópolis, onde aguardava o julgamento.

O inquérito policial concluiu que a vítima morreu em função das pancadas na cabeça e indiciou o médico. O caso foi a júri popular, que resultou na condenação.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos