Foco

Cerca de 14 mil animais silvestres são resgatados de janeiro a julho em São Paulo; veja fotos

Total é 2,58 % superior à quantidade salva nos primeiros sete meses do ano passado

Somente nos primeiros sete meses deste ano, quase 14 mil animais silvestres foram resgatados no Estado de São Paulo pela Polícia Militar Ambiental, informou nesta quinta-feira (23) a SSP (Secretaria de Segurança Pública).

De janeiro a julho de 2021, foram salvos exatos 13.881 animais silvestres. O total é 2,58 % superior à quantidade salva nos primeiros sete meses do ano passado, quando foram resgatados 13.532 animais.

LEIA TAMBÉM:

  1. Idoso tem ataque cardíaco e morre ao ser atropelado por criminoso a bordo de seu próprio carro em São Paulo
  2. Polícia apreende adolescente suspeito de atirar e matar neto de Luciano do Valle, em SP
  3. Covid-19: SP vacinará profissionais de saúde com doses remanescentes

Apenas nesta última semana, por exemplo, 12 animais foram resgatados ainda vivos após o incêndio que atingiu, no dia 22 de agosto, o Parque Estadual de Juquery, na região metropolitana de São Paulo. A tragédia causou danos em 85% do parque e muitos dos bichos não resistiram ao calor e a fumaça – 14 foram retirados do local já sem vida. 

Capacitação

Para realizar este tipo de atendimento, os militares passam pelo curso de manejo e resgate de animais silvestre que, normalmente, conta com a participação de médicos veterinários.

Com orientações teóricas e práticas, as atividades são compostas por manejos a répteis vivos, aves silvestres e ouriços, além de também serem utilizadas réplicas de bichos para preservar os animais e evitar o estresse deles.

O treinamento é realizado para que seja possível proporcionar o bem-estar do bichinho durante o manejo, captura e resgate, já que esse tipo de trabalho também inclui animais vítimas de acidentes e feridos, que requerem um cuidado maior. Na maioria dos casos, os animais passam por tratamento para readaptação e posterior reintrodução em habitat natural.

Para isso, a PM Ambiental atua em conjunto com ONGs autorizadas e mantidas pela iniciativa privada, CETAs (Centros de Triagem de Animais Silvestres) e CRAs (Centros de Recuperação de Animais Silvestres) – locais que possuem toda a estrutura necessária para receber e cuidar dos animais apreendidos. 

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos