logo
Foco
/ Reprodução / Reprodução
Foco 23/08/2021

FHC diz que é momento de congregar esforços na busca por 3ª via

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou que aqueles que estão insatisfeitos com a dualidade entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) precisam trabalhar juntos na busca de uma terceira via. “A dualidade está presente entre o presidente Lula, que sempre quer ser chefão, e Bolsonaro. Aqueles que não estão satisfeitos com dualidade Lula e Bolsonaro têm que se unir”, disse em “live” do grupo Parlatório com o tema “O Futuro de uma Nação!” e curadoria do ex-presidente Michel Temer.

“Terceira via é uma via que leve ao crescimento da economia, bem-estar e respeito à democracia. Eu conheço Lula. Mas por que não estou defendendo o Lula agora? Porque Lula vai puxar a sardinha para ele. Lula pensa que resolve tudo e não vai. Bolsonaro é contra tudo isso. De repente, tem impulsos autoritários. Temos que colocar alguém que tenha razoabilidade”, completou.

Segundo FHC, há tempo, mas é curto, de dois a três meses, para encontrar esse nome. Ele completou que não importa qual será o partido, tem que ser capaz de unir o País. O tucano também indicou ser necessário uma pessoa jovem e que o movimento tenha pluralidade, com a participação de sindicatos, empresários, militares da reserva, homens e mulheres. “Está na hora de nos juntar e expressar sentimento contra o extremismo e a favor do povo.”

O ex-presidente também comentou sobre a divisão no PSDB e disse ela que não ajuda. “Quadro é de tal gravidade no Brasil que não importa qual será partido. Tem que ser uma pessoa que tenha capacidade de unir. Se não for do PSDB, que seja alguém capaz de levar Brasil adiante, de unir o País.”

Nesse sentido, o tucano afirmou que, como chefes do Executivo de grandes Estados, os governadores de São Paulo e Rio Grande do Sul têm capacidade de juntar pessoas. “Sou mais amigo, por morar em São Paulo, do governador de São Paulo (João Doria), mas gosto do governador do Rio Grande do Sul (Eduardo Leite).” “Pode ser de qualquer partido, não de todos, socialista poderia ter mais dificuldade. Mas entre PSDB ou MDB, tem que ser alguém capaz de unir”, reforçou.