Foco

Comércio aposta em Dia dos Pais para início da retomada

Grande parte da população vacinada, queda no número de casos e mortes por covid-19, cidades com regras mais flexíveis de funcionamento para comércio e serviços. A combinação é vista como a ideal por lojistas para finalmente apostarem na retomada das vendas a partir deste mês. E o Dia dos Pais, comemorado no próximo domingo, é encarado como um marco do início dessa nova era.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Shoppings e comércio de rua esperam mais pessoas nas ruas comprando e gasto mais neste ano que em comparação ao ano passado, quando os brasileiros viviam fase incerta, ainda na primeira onda de casos de covid-19 e sem perspectiva de quando viria a vacina.

Entre as entidades mais otimistas do varejo, a projeção é vender até 32% nesta semana que antecede a data, como é o caso da Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers). “Os empreendedores estão mais otimistas e acreditam que os consumidores estão mais dispostos a investir em um produto mais elaborado, já que muitos filhos ficaram um bom tempo longe dos pais e estão retomando, ainda que com toda a cautela necessária, os encontros familiares após a vacinação”, afirma o presidente da Abrasce, Glauco Humai.

A CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) é mais cautelosa e prevê alta de 13,9%, movimentação financeira equivalente a R$ 6,03 bilhões. Na data no ano passado, houve recuo de 11,3%, foi o menor volume desde 2007. “Embora a circulação de consumidores no comércio ainda não tenha se normalizado, especialmente nos shopping centers, a movimentação de clientes vem aumentando desde o arrefecimento da segunda onda”, disse o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

Diretor institucional da Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping), Luis Augusto Ildefonso acredita que é cedo para falar em retomada aos padrões de antes da pandemia. Mas afirma que o momento é bom. “Em função dessa repressão toda de consumo por conta da quarentena, as vendas serão razoavelmente boas, como foram o Dia das Mães e o dos Namorados.” Ele aposta na Black Friday, no fim de novembro, como um bom termômetro para o Natal e 2022. “O avanço da vacinação ajuda muito, mas ainda não dá para esperar ‘céu de brigadeiro’ com a atual situação econômica. A retomada, se não houver mais ondas, virá ao longo de 2022.”

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos