logo
Foco
Foco 31/07/2021

Gentileza nunca é demais

Pode ser impressão ou otimismo esperançoso, mas parece que a pandemia trouxe mais calma, respeito e gentileza no dia a dia do trânsito paulistano (que nunca foi fácil). A gente vê mais motoristas parando para pedestres atravessarem, ouve menos buzinas e os ciclistas parecem mais tranquilos, sem tanto medo das finas dos motoristas. Será?

Se for verdade, estamos evoluindo. Porque a mobilidade urbana exige de todos os personagens (motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres) muita responsabilidade e comprometimento, além de atenção e empatia com o outro. As boas atitudes fazem a diferença e contagiam positivamente. Quando adotamos práticas gentis, como parar para uma pessoa atravessar ou oferecer passagem para quem está mais rápido, melhoramos o convívio nas ruas. Confira algumas dicas para promover a paz no trânsito:

Os mais frágeis primeiro

Na pirâmide da mobilidade, os mais frágeis (pedestres e ciclistas) têm prioridade. Caso não haja faixa de travessia e semáforo, a preferência é sempre do pedestre.

Respire fundo e se acalme

Mantenha-se no controle e evite qualquer discussão nas ruas, mesmo que você tenha razão. Um bate-boca não vai levar a nada, só irá aumentar o seu estresse e, consequentemente, das pessoas envolvidas. Tenha paciência com condutores inexperientes e peça desculpas quando errar.

Sinalização é fundamental

Acione sempre a seta para mudar de faixa, fazer conversão em ruas ou estacionar. Além de ser passível de multa caso não o faça, este ato mostra o respeito com motoristas, pedestres e ciclistas.

Buzina é infração

Ela deve ser acionada apenas como advertência para evitar acidentes, com um leve toque, e não da forma insistente como é usada por motoristas e motociclistas. Muita gente não sabe, mas segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), artigo 227, o uso da buzina sem motivo configura infração leve de trânsito, podendo gerar penalidade de multa para o condutor e três pontos na Carteira Nacional de Habilitação.

Aguarde a sua vez

A filosofia do “eu primeiro” denota egoísmo e falta de empatia com o outro. Dirigir muito próximo à traseira de outro carro ou ficar piscando o farol não ajuda ninguém.

Desacelerar é preciso

Respeitar o limite da velocidade é regra básica e que evita acidentes. Também é essencial evitar acelerar ou frear bruscamente perto das faixas de pedestres – ao contrário, na proximidade delas, é importante ir desacelerando.