logo
Foco
/ José Cruz/Arquivo/Agência Brasil / José Cruz/Arquivo/Agência Brasil
Foco 29/07/2021

TSE desmente alegações de Bolsonaro em live sobre fraudes na urna eletrônica

Presidente voltou a dizer que sistema é falho e foi rebatido pelo tribunal

Por : Estadão Conteúdo

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) encaminhou a jornalistas no começo da noite desta quinta-feira (29) diversas checagens rebatendo pontos do discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre supostas fraudes na urna eletrônica. Problemas nas teclas da urna e a suposta exclusividade do Brasil no uso do sistema eletrônico foram alguns dos pontos do discurso do presidente desmentidos pelo tribunal.

No começo de uma transmissão ao vivo, Bolsonaro disse ter relatos de pessoas que tentaram votar em seu número na eleição presidencial de 2018 e foram impedidos pela urna, ao passo que pessoas que tentaram votar no então candidato do PT, Fernando Haddad, não enfrentaram problemas.

Leia também:

O TSE esclarece que, neste caso, as pessoas estavam tentando votar em um candidato a governador e não a presidente, o que inviabiliza o número “17” na urna.

Em outro momento, o presidente disse que só três países no mundo usam a urna eletrônica, entre eles o Butão. Sobre isso, o TSE esclarece que 23 países usam urnas com tecnologia eletrônica em suas eleições gerais. Outras 18 nações usam a urna em pleitos regionais.

“Entre os países estão o Canadá, a Índia e a França, além dos Estados Unidos, que têm urnas eletrônicas em alguns estados”, diz um trecho da checagem do TSE.

Em vários momentos da live, Bolsonaro disse que a apuração dos votos será feita “pelos mesmos que tornaram o ex-presidente Lula (PT) elegível e que o tiraram da cadeia”. No entanto, a apuração dos votos é feita de forma pública, como explica o TSE.

Voto impresso

Bolsonaro afirmou na em transmissão semanal pela internet que o Brasil não é uma “república de bananas” ao defender a implementação do voto impresso. Sugeriu que poderia haver guinada autoritária similar à da Venezuela, caso não haja alteração do sistema eleitoral.

“O que eu quero é democracia. Tantos me acusam de ser ditador, tantos me acusam de ser violento. Não somos uma república de bananas, tem alguns bananas nela. Quem quer a instabilidade de uma nação poderosa como a nossa? Somos um país forte. Não podemos aceitar na mão grande, no poder da força de alguns, alguém assumir o timão desse País e levá-lo para o caos, como assistimos na América do Sul”, disse aos gritos.

Em seguida, reforçou ataques ao presidente do TSE e ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, que, segundo versão contada pelo presidente, fez articulação junto a parlamentares para persuadi-los a orientar suas bancadas a votar contra a PEC do voto impresso, de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-SP), em Comissão Especial no Congresso.

“Vamos atender a vontade popular. Não vamos nos prender à vontade de um homem apenas que interfere no poder Legislativo”, declarou com tom de voz ainda elevado.