logo
Foco
/ Divulgação/UFPR / Divulgação/UFPR
Foco 28/07/2021

Saúde anuncia estudo para avaliar 3ª dose em vacinados com a CoronaVac

Imunizante é desenvolvido por uma farmacêutica chinesa e produzido no Brasil pelo Instituto Butantan

Por : Estadão Conteúdo

O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira (28) que vai realizar um estudo para avaliar a necessidade de uma terceira dose em pessoas imunizadas com CoronaVac. O imunizante é desenvolvido por uma farmacêutica chinesa e produzido no Brasil pelo Instituto Butantan.

A pesquisa, patrocinada pelo Ministério da Saúde, será realizada em parceria com a Universidade de Oxford e terá início nas próximas duas semanas. “Não temos publicação na literatura detalhada acerca de sua efetividade (da Coronavac). As respostas precisam ser dadas através de ensaios clínicos”, afirmou Marcelo Queiroga em entrevista a jornalistas em Brasília.

Leia também:

De acordo com a pesquisadora Sue Ann Clemens, que coordenará o estudo, é preciso saber a duração da proteção de cada vacina. Para os imunizantes da Pfizer, AstraZeneca e Janssen, diz ela, já há publicações demonstrando a duração da proteção. “Em relação à Coronavac, precisamos avaliar isso. Estudos já mostraram que a proteção começa a cair com 6 meses”, disse Sue, brasileira que trabalha na Universidade de Oxford.

Nesta semana, uma estudo preliminar publicado por cientistas chineses mostrou que o nível de anticorpos neutralizantes produzidos pelo organismo após a imunização com Coronavac caiu depois de seis meses. Ainda não é possível associar a queda de anticorpos à redução da proteção.

O mesmo estudo mostrou que uma terceira dose da Coronavac é capaz de impulsionar novamente a produção de anticorpos, o que demonstra que a vacina induz boa “memória imunológica”. Os pesquisadores chineses ponderaram, porém, que a decisão de oferecer uma terceira dose depende de vários fatores, entre eles a oferta de vacinas e a situação epidemiológica do país.

A pesquisa do Ministério da Saúde será feita com pessoas que tomaram as duas doses da CoronaVac há seis meses. Esses voluntários serão divididos em quatro grupos: o primeiro receberá o reforço com a própria CoronaVac; o segundo com a vacina da Janssen; o terceiro com a da AstraZeneca e o quarto com a da Pfizer.