Foco

Reajuste em plano de saúde coletivo alcança 14% até maio

Uma nova plataforma lançada ontem pela ANS (Agência Nacional de Saúde) revela que os planos coletivos já alcançaram até maio deste ano reajustes de 14%, valor acima da inflação oficial calculada para o país em 12 meses, de 8,06%.  

A ferramenta é uma antiga reivindicação de órgãos de defesa do consumidor, que pediam mais transparência nos dados dos planos coletivos, responsáveis por cerca de 80% do mercado. 

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

É possível acompanhar reajustes nas categorias empresariais e por adesão, com a opção de pesquisa por convênio médico, desde o ano de 2016. Os contratos não têm percentuais regulados pela agência, como ocorre com os individuais. Nos planos para 30 vidas ou mais, utilizado por grandes empresas, por exemplo, o índice é definido em livre negociação entre as pessoas jurídicas contratantes e operadoras. Já os com até 29 vidas utilizam a regra do agrupamento de contratos. Também conhecida como “pool de risco”, a norma obriga as operadoras a aplicarem o mesmo percentual de reajuste a todos os contratos deste porte.

De acordo com a ferramenta, 478 operadoras já enviaram comunicados de reajustes referentes a 539.106 contratos até maio deste ano. Até o momento, o reajuste médio, considerando planos empresariais e por adesão, é 5,55% para os contratos com 30 vidas ou mais; e 9,84% para os contratos com até 29 vidas. Mas a moda, percentual mais frequente nos comunicados enviados pelas operadoras, alcançou 14%. Cerca de 10 milhões de pessoas foram atingidas pelos aumentos, mas ao menos 100 empresas, responsáveis por 14 milhões, ainda não aplicaram reajuste.

Para os planos individuais, a ANS determinou que o reajuste para o período de maio de 2021 a abril de 2022 seja negativo em 8,19%. A redução é motivada pela queda das despesas assistenciais em 2020, quando muitas consultas e cirurgias eletivas foram canceladas por conta da covid-19. Mas a regra não vale para os planos coletivos.

Em 2020, quando os planos tiveram congelamento dos reajustes, aplicados de forma retroativa no início deste ano, os coletivos subiram, em média, 11% (até 29 vidas) e 10% (acima de 30), com moda também em 14%. Já os individuais tiveram teto estipulado em 8,14% pela ANS. A plataforma mostra que, em 2017, a moda alcançou recorde de 20%.

No mês passado, o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) denunciou em pesquisa própria reajustes abusivos nos contratos coletivos. “Os resultados são claros ao evidenciar que a maior fatia do setor de saúde suplementar está completamente fora de controle. É inaceitável que usuários de planos coletivos sigam absorvendo reajustes muito acima do teto estabelecido pela agência para os planos individuais”, disse Ana Carolina Navarrete, coordenadora de Saúde do Idec.  

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos