logo
Menina Ester Sigoli, 4 anos, morta com um tiro após briga por vaga de garagem em Santo André, São Paulo / Reprodução/FacebookMenina Ester Sigoli, 4 anos, morta com um tiro após briga por vaga de garagem em Santo André, São Paulo / Reprodução/Facebook
Foco 16/07/2021

Suspeito de matar menina após briga por vaga de garagem é preso no litoral de SP

Ester Sigoli, de 4 anos, foi atingida com um tiro no peito e não resistiu, em Santo André

Por : Metro World News

A Polícia Civil prendeu na tarde desta sexta-feira (16) o suspeito de matar a menina Ester de Oliveira Sigoli, de 4 anos, no Jardim Ana Maia, em Santo André, no ABC Paulista. O homem, Bruno de Freitas Lopes, 27, foi localizado em São Vicente, no litoral sul de São Paulo. O motivo do crime, segundo a investigação, foi uma briga por vaga de garagem que ele tinha com o pai da criança.

O caso aconteceu na noite do último domingo (11). De acordo com o boletim de ocorrência, a menina estava com o pai, Jorge de Oliveira, a mãe e mais três crianças em um carro, quando Bruno chegou atirando com uma pistola calibre 38. O pai foi ferido no braço por dois disparos e Ester, com um tiro no tórax. A menina foi levada para o hospital, mas não resistiu.

Leia também:

Desde o dia do crime, o suspeito, conhecido como Brunão, era procurado pela polícia. Ele teve a prisão preventiva decretada e acabou sendo localizado nesta tarde no bairro Vila Margarida, em São Vicente, por uma equipe do 5º Distrito Policial de Santo André, que teve apoio de policiais da cidade do litoral sul.

A localização dele foi possível graças a um Pix que ele recebeu de uma moradora do bairro. A polícia informou que, no local da prisão, foram encontradas diversas peças de motos roubadas.

O suspeito será encaminhado para Santo André, onde o caso segue em investigação.

Bruno de Freitas Lopes, suspeito de matar Ester Sigoli, em São Paulo
Divulgação

Briga

Segundo a polícia, a briga entre Brunão e Jorge ocorre desde 2018 por causa de uma vaga de garagem que eles dividiam. Em uma confusão anterior, o pai de Ester teria agredido o rival. Depois disso, Brunão passou a ameaçar o desafeto.

Na época da primeira briga, o caso foi denunciado à polícia e Jorge chegou a ter um pedido de prisão expedido, porém, as investigações acabaram arquivadas.