logo
Foco 13/07/2021

Descontrole de preços

Começa a semana e o governo anuncia mais um aumento na conta da energia elétrica. Isso sem contar com a Enel, que deve acompanhar a escalada. No último reajuste, a empresa colocou mais 11% sobre o aumento da agência reguladora. Moral da história: mais 63% em cima de quem já não consegue pagar conta nenhuma. O caras estão tomando água de cachoeira ou de Itaipu – água que eles alegam não ter. Mas aumentar de novo significa mais fome, mais desemprego e mais tragédia num país atrasado que gasta R$ 3 milhões com cada deputado em Brasília. E ainda tem o senador, que custa ao seu bolso mais R$ 7 milhões. Tudo isso para aprovar leis que permitem, por exemplo, cobrar mensalidades abusivas e impagáveis de planos de saúde, não nos proteger contra o aumento insuportável de tudo – menos de emprego – e oferecer um auxílio emergencial miserável que não dá para comer, morar, comprar remédio. Com Paulo Guedes, é só no nosso. Além disso, ainda veio à tona o acordo sombrio (mais uma vez) que fez  a Prefeitura de São Paulo gastar quase R$ 1 bilhão na pandemia para manter ônibus parados nestas empresas que há 60 anos dominam o transporte. Outro absurdo. Em tempos de pandemia, o esperado seria termos mais ônibus e maior distanciamento, porém não tivemos e ainda dizem que perderam quase metade dos passageiros. Mas como se o ônibus parece lata de sardinha? Se rodasse com a frota inteira, seria mais lógico para a saúde e você não teria que pagar do seu bolso essa quantia exorbitante – e mesmo assim o busão andaria lotado. Além do subsídio, esses caras economizam com manutenção, pneu, combustível… menos com gente. E olha que durante a pandemia morreram quase 200 motoristas e cobradores. E passageiros? Quantos morreram ou foram contaminados? Nunca fizeram e jamais farão a conta. E o mesmo acontece nos trens e metrô. Secretário fez rodar a frota toda e quando tomou prejuízo de R$ 1 bilhão, reduziu. Moral da história: no estado da ciência e da tecnologia, o povo não passa de voto e negócio. Me ajuda aí.