logo
/ RIO DE JANEIRO, RJ, 23.05.2021 - Motociata De Bolsonaro, Covid-19 No Rj - Presidente Jair Messias Bolsonaro e ex Ministro da saude Pazuello se juntou em ato organizado por motoqueiros e a concentracao e saida foi do Parque Olimpico na Barra da Tijuca zona oeste do Rio de Janeiro e o grupo fez grande barulho durante todo percurso e trajeto percorrido ,contrariando todo protocolo sanitario e com grande aglomeracao o qual , finalizou no Monumento dos Pracinhas no Aterro do Flamengo zona sul do Rio de Janeiro na tarde deste domingo (23/05). - (Foto: Jorge Hely/FramePhoto/Folhapress) / RIO DE JANEIRO, RJ, 23.05.2021 - Motociata De Bolsonaro, Covid-19 No Rj - Presidente Jair Messias Bolsonaro e ex Ministro da saude Pazuello se juntou em ato organizado por motoqueiros e a concentracao e saida foi do Parque Olimpico na Barra da Tijuca zona oeste do Rio de Janeiro e o grupo fez grande barulho durante todo percurso e trajeto percorrido ,contrariando todo protocolo sanitario e com grande aglomeracao  o qual , finalizou no Monumento dos Pracinhas no Aterro do Flamengo zona sul do Rio de Janeiro na tarde deste domingo (23/05). - (Foto: Jorge Hely/FramePhoto/Folhapress)
Foco 04/06/2021

Exército não punirá Eduardo Pazuello

O Exército Brasileiro optou por não punir o general Eduardo Pazuello pela participação em uma manifestação de apoio ao presidente Jair Bolsonaro no dia 23 de maio, no Rio de Janeiro. Com isso, o processo disciplinar foi arquivado.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

“Não restou caracterizada a prática de transgressão disciplinar por parte do general Pazuello”, afirmou a nota, divulgada ontem. Tanto o Estatuto das Forças Armadas quanto o Regulamento Disciplinar do Exército, porém, proíbem a participação de membros da ativa em atos políticos, como o do mês passado – a punição prevista é desde advertência até prisão.

Durante a manifestação, o ex-ministro da Saúde subiu em um trio elétrico, onde foi elogiado pelo presidente e, sem máscara, fez um breve discurso. Bolsonaro defendeu nos bastidores que Pazuello não fosse punido e, como comandante em chefe das Forças Armadas, vetou a divulgação de uma nota à época do episódio.

Nesta semana, o general da ativa voltou ao quadro federal, assumindo o cargo de secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência. Seu novo salário é de R$ 16 mil.