logo
/ WUHAN, CHINA - MAY 31: People tend to their children at a community square on May 31, 2021 in Wuhan, China. A renewed interest in the origins of COVID-19 has emerged after U.S. President Joe Biden announced he was expanding investigation into the outbreak, with intelligence agencies leaning towards a theory of a lab leak of the virus. (Photo by Getty Images) / WUHAN, CHINA - MAY 31:  People tend to their children at a community square on May 31, 2021 in Wuhan, China. A renewed interest in the origins of COVID-19 has emerged after U.S. President Joe Biden announced he was expanding investigation into the outbreak, with intelligence agencies leaning towards a theory of a lab leak of the virus. (Photo by Getty Images)
Foco 01/06/2021

China decide encerrar política de dois filhos

Por : Metro com Estadão Conteúdo

A China anunciou ontem que passará a permitir que cada casal tenha até três filhos, deixando para trás a política vigente que limita a duas crianças por família. A legislação, que foi aprovada durante reunião do Politburo – conduzida pelo presidente e líder do Partido Comunista, Xi Jinping –, ainda não tem data para entrar em vigor.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

A mudança, segundo autoridades, ocorre “em resposta ao envelhecimento da população”. Há poucas semanas, a divulgação do último censo realizado na China demonstrou demonstrou uma expressiva queda da taxa de natalidade do país mais populoso do mundo.

Segundo o estudo, a China chegou a 264 milhões de pessoas com mais de 60 anos no ano passado. Este grupo constitui 18,7% da população – aumento de 5,4 pontos percentuais na comparação com o censo anterior, de 2010.

Em 2016, o país asiático abandonou sua política do filho único, implantada o fim da década de 1970 para frear uma explosão populacional. Naquele momento, era possível que cada família tivesse até dois filhos.

A medida, porém, não foi suficiente para estimular a taxa de natalidade, em queda livre por vários motivos. como a redução dos casamentos, o aumento do custo da moradia e da educação e a decisão das mulheres de adiar os planos de gravidez para privilegiar a carreira profissional. Além disso, chineses ainda se preocupam com a falta de creches e as extensas horas de trabalho.

No anúncio de ontem, o PCC (Partido Comunista Chinês) também se comprometeu ontem a melhorar a licença-maternidade e as proteções de trabalho, prometendo tornar mais fácil a decisão de casais para gerar mais filhos. 

De acordo com o jornal americano “The New York Times”, à medida em que a população chinesa envelhece, a mão de obra e a população economicamente ativa também diminui e ameaça a estratégia industrial da China em sair da pobreza e se tornar uma grande potência econômica. 

“Isso deve ser visto como uma crise para a sobrevivência da nação chinesa, mesmo além da pandemia e outras questões ambientais”, disse o especialista em demografia Huang Wenzheng, do Centro para a China e a Globalização, ao veículo. “Para começar, nunca deveria ter havido uma política de restrição de natalidade.”