logo
Escola é um serviço essencial em SP | / Rivaldo Gomes/FolhapressEscola é um serviço essencial em SP 
|  / Rivaldo Gomes/Folhapress
Foco 28/04/2021

Pandemia faz aluno esquecer até o que já havia aprendido

Por : André Vieira - Metro

O governo de São Paulo resolveu medir o nível de conhecimento dos alunos durante a pandemia e chegou a uma conclusão “catastrófica”, nas palavras do próprio secretário da Educação, Rossieli Soares: os estudantes não só não estão assimilando novos conteúdos como estão esquecendo lições que já eram consideradas apreendidas.

Para avaliar o desempenho, o estado aplicou neste ano uma prova para 20,7 mil alunos da rede estadual. O exame foi similar ao Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica), do governo federal, que avalia os conhecimentos em língua portuguesa e matemática do 5º e 9º anos do ensino fundamental e do 3º série do ensino médio.

A comparação entre os resultados dessa prova amostral em 2021 com as notas obtidas no Saeb em 2019 demonstrou que está havendo uma regressão no nível de aprendizagem.

A perda foi maior no ciclo inicial, que é o 5º ano do fundamental. Em matemática, os estudantes tiraram 46 pontos a menos. Em língua portuguesa, a queda foi de 29 pontos.

Essa defasagem mostra que uma criança hoje com 10 anos de idade teve um desempenho pior do que ela mesma aos 8 anos. “Além de não aprender novas coisas, o aluno não consolidou o que tinha aprendido antes”, resumiu Rossieli. 

São Paulo vinha apresentando melhoras no Saeb em matemática no 5º ano, mas os resultados obtidos agora mostram que essa evolução pode ter sido perdida, pois o desempenho (196 pontos) é o mesmo do alçando em 2007. No 3º ano, o resultado (255 pontos) é o mais baixo desde 2005, quando teve início a série histórica (com nota de 262 pontos).

Houve regressão na aprendizagem em todos os níveis. O governo do estado estimou que seriam necessários 11 anos para recuperar a aprendizagem perdida em matemática no 5º ano. O 9º ano demoraria mais três anos na mesma disciplina e o 3º ano do ensino médio precisaria de outros três anos para se recuperar da queda em língua portuguesa.

Para Rossieli, os resultados do estudo – desenvolvido em parceria com o centro de educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG) – dão uma dimensão do desafio imposto pela pandemia em toda a educação brasileira e também dos impactos do ensino remoto, principalmente para os alunos mais novos. Além disso, reforçam a necessidade de se manter os colégios abertos. “Precisamos crescer muito em um ano de pandemia e sem a escola aberta será impossível.”

SP deve recorrer de ordem para fazer entregas 

A Prefeitura de São Paulo sinalizou ontem que deverá recorrer da decisão judicial que determinou que o governo entregue tablets para todos os alunos da rede municipal em até 10 dias. Em nota, o município informou que já está distribuindo os aparelhos, de forma parcial, e que “todas as medidas judiciais pertinentes serão adotadas” contra a decisão. A compra dos 465 mil tablets foi anunciada em agosto passado, para viabilizar o ensino remoto. A previsão inicial era de que todos os equipamentos seriam entregues ainda em 2020, mas quase ninguém recebeu. A prefeitura afirmou que está dando preferência para aos alunos com mais dificuldade de acesso ao ensino online e que os pais serão avisados das datas para a retirada.