logo

Os médicos que tratam do câncer de Bruno Covas (PSDB) disseram ontem que uma inflamação no tumor do fígado está provocando acúmulo de líquidos ao redor do pulmão e no abdome. Até que o excesso seja drenado, o prefeito seguirá internado, sem previsão de alta.

Ainda de acordo com a equipe, os líquidos não tem afetado a respiração do prefeito e já estão sendo eliminados desde a segunda-feira, a partir da colocação de drenos.

Como perdeu peso, embora ainda consiga fazer as refeições normalmente por via oral, Covas também passou a receber complementação alimentar por via intravenosa durante o sono. 

Apesar da piora no quadro, o diretor do Centro de Infectologia do Hospital Sírio-Libanês, David Uip, disse que Covas apresenta boa condição clínica neste momento e pode continuar trabalhando do hospital.

O prefeito não se afastou do cargo e vem fazendo os seus despachos e se reunindo virtualmente com seus secretários desde a última sexta-feira, quando foi novamente internado. Covas tem 41 anos e foi reeleito no fim do ano passado para mais um mandato na capital.

Metástase

O câncer de Covas foi diagnosticado em outubro 2019. Os tumores foram inicialmente detectados no trato digestivo e depois se espalharam para o fígado. Na semana passada, novos exames mostraram que a doença está afetando agora outros pontos do órgão e também os ossos.

“A luta continua e o trabalho não pode parar. O apoio e o carinho que recebo todos os dias me dão cada vez mais força. Seguirei como sempre: de cabeça erguida e cumprindo, junto com minha equipe, nossos compromissos com São Paulo”, escreveu Covas anteontem nas redes sociais.