logo
Foco 12/04/2021

Começa hoje a campanha de vacinação contra a gripe

Por : Wilson Dell'Isola - Metro

Na corrida contra o tempo para vacinar a população contra o novo coronavírus, o Brasil inicia mais uma etapa desafiadora do ponto de vista de saúde pública: coincidindo com a força-tarefa de imunização no combate à covid-19, começa nesta segunda-feira (12) a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, o vírus da gripe.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Esta última acontece todos os anos a partir do início do outono, quando a temperatura cai e a circulação de vírus que afetam o sistema respiratório aumentam de forma considerável.

Neste momento, o estado de São Paulo vacina contra a covid-19 idosos a partir de 67 anos. A previsão é de que, no dia 21, pessoas de 66 e 65 anos também entrem na fila.

Como as duas campanhas em massa acontecerão simultaneamente, surgem muitas dúvidas como quem deve tomar as doses, se uma influencia na outra, qual o tempo de espera entre as vacinas, por exemplo. O Metro consultou especialistas para esclarecer essas questões.

QUEM DEVE TOMAR A VACINA?
Em 2020, adultos de 55 a 59 anos foram incluídos no público-alvo, mas neste ano eles deixaram o grupo prioritário, que agora é formado por:

  • Idosos com 60 anos ou mais
  • Crianças de 6 meses a 6 anos
  • Gestantes e puérperas
  • Povos indígenas
  • Trabalhadores da saúde, de transporte coletivo rodoviário e portuários
  • Professores das escolas públicas e privadas
  • Pessoas com deficiência permanente ou com doenças crônicas não transmissíveis
  • Forças armadas, policiais e agentes de segurança e de salvamento
  • Caminhoneiros
  • Adolescentes e jovens entre 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade

ETAPAS
A campanha será distribuída em três etapas, de forma escalonada:

  • 1ª – de hoje a 10 de maio: crianças, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde
  • 2ª- de 11 de maio a 8 de junho: idosos e professores
  • 3ª- de 9 de junho a 9 de julho: demais grupos prioritários

E QUEM ESTÁ DE FORA?
O governo restringe a grupos mais vulneráveis por questões financeiras. Na campanha deste ano, serão distribuídas 80 milhões de doses. Para pessoas fora do público-alvo, a recomendação, se for possível, é buscar a injeção em clínicas particulares

COMPOSIÇÃO
O imunizante é produzido pelo Instituto Butantan, a partir do vírus fragmentado e inativado e tem três tipos de cepas do influenza em combinação: H1N1 pdm09, H3N2 e linhagem B/Victoria. Essa é a dose disponível na rede pública. Na particular, também existe a tetravalente. Além de resguardar contra as três cepas citadas acima, ele também ataca a cepa B/Phuket/3073/2013 (B/Phuket/3073/2013, tipo selvagem)

ONDE TOMAR?
Cada município tem autonomia para escolher onde fará a vacinação. No caso de São Paulo, a prefeitura vai usar escolas municipais para vacinação contra a gripe. A ideia da Secretaria Municipal da Saúde é separar os locais de imunização contra a covid-19 e Influenza para evitar aglomeração e propagação do novo coronavírus. Por isso, as UBSs (Unidades Básicas de Saúde) vão continuar exclusivas para a covid-19, enquanto a vacina contra a gripe será aplicada em 468 escolas municipais de grande porte e outros estabelecimentos de ensino. A meta é de imunizar 5 milhões de pessoas na capital

Confira os locais que fazem parte da campanha.

GRIPE x COVID-19

Posso tomar as vacinas contra a covid-19 e a gripe juntas?
Não. As vacinas devem ser tomadas com intervalos de 15 dias entre elas, seja da 1ª ou 2ª dose. Ainda não há estudos que permitam saber a resposta do sistema imunológico à aplicação conjunta dos dois imunizantes, portanto, o Ministério da Saúde optou pela prudência, para evitar qualquer efeito colateral inesperado ou uma diminuição na efetividade das doses.

Qual das vacinas deve ser priorizada?
As duas vacinas são importantes. A da gripe é preparada com um grupo de vírus que evita doenças que geram complicações respiratórias que exigem internação e podem até levar à morte. Para quem faz parte do público-alvo das duas campanhas, a prioridade deve ser dada à vacina contra a covid-19. Prioridade, não exclusividade!

Tive ou estou com covid-19, posso tomar a vacina da gripe?
Quem já foi infectado pelo novo coronavírus pode e deve tomar tanto a vacina da gripe, quanto a da própria covid-19. Mas, se na ocasião a pessoa estiver com febre aguda, moderada ou grave, é recomendado adiar a vacinação.

Vacina contra a gripe ajuda na imunização contra o novo coronavírus?
A vacina contra a gripe protege contra vírus Influenza (as gripes mais frequentes e conhecidas em suas formas mais graves). A do novo coronavírus é produzida especialmente contra ele. Até o momento, não há nenhuma comprovação de correlação. No entanto, a imunização contra a gripe reduz os sintomas que podem ser confundidos com os de covid-19 e, consequentemente, qualquer visita desnecessária à alguma unidade de saúde.

Qual a importância de se vacinar contra essas duas doenças?
Tanto gripe quanto covid-19 são doenças que atacam o sistema respiratório e podem trazer complicações sérias. Do ponto de vista individual, a vacinação diminui os riscos à saúde. Já na perspectiva coletiva, protege toda a comunidade, pois quebra as cadeias de transmissão viral e, por tabela, atenua a lotação de hospitais e UTIs. No caso da vacina contra a gripe, é necessário que haja a aplicação todo ano, já que ela “atualiza” mutações mais recentes do vírus. É importante ressaltar que as vacinas, em geral, não impedem 100% que a pessoa adoeça, mas garante que o imunizado não tenha as formas graves.

Fontes: Ministério da saúde e Sergio Zanetta, médico sanitarista e professor de Saúde Pública e Epidemiologia do Centro Universitário São Camilo