logo
Foco
Público aguarda para entrar na agência em São Paulo / Rivaldo Gomes/FolhapressPúblico aguarda para entrar na agência em São Paulo / Rivaldo Gomes/Folhapress
Foco 07/04/2021

Economia brasileira deve cair para 13a entre maiores potências

Depois de registrar indícios de recuperação no começo do ano, a economia do país deve sentir os impactos da segunda onda de covid-19 nos próximos meses e já se prepara para cair no ranking de maiores potências mundiais.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Dados do novo relatório do FMI (Fundo Monetário Internacional) divulgados na terça-feira (6) confirmaram que a economia brasileira perdeu três posições em 2020, caindo para a 12ª colocação, após o tombo de 4,1% do PIB (Produto Interno Bruto). A agência de classificação de risco Austin Rating projeta que o país desça mais um degrau e fique em 13o entre os maiores, atrás da Austrália. O FMI fez pequena revisão da previsão de alta do PIB brasileiro para este ano de 3,6% para 3,7%.

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, destacou durante um painel da Reunião de Primavera da instituição a necessidade de atenção especial dos países em desenvolvimento sobre a dívida pública. “Alguns emergentes têm espaço fiscal muito limitado”, declarou.

Na visão dela, o atraso na vacinação contra a covid-19 nos países mais pobres terá impacto na retomada econômica. “Tememos que os emergentes fiquem anos atrás de economias avançadas na recuperação”, alertou.

Banco Central

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse ontem que a recuperação da economia a níveis pré-pandemia não está completa, lembrando que a segunda onda da pandemia deve ter impactos sobre a atividade em março e abril deste ano.

“Os níveis de confiança no Brasil voltaram a cair. Acredito que as pessoas estão tentando entender o que esse novo movimento de distanciamento social significa para os negócios e quão tempo ele deve durar”, avaliou em participação em evento virtual promovido pelo Itaú Unibanco.

A FecomercioSP estimou ontem queda de 3% no faturamento do varejo neste mês, mesmo com o retorno do auxílio emergencial. A previsão é que os impactos da segunda onda de covid-19 gerem perda de R$ 18 bilhões em relação ao mesmo mês de 2020 para o setor.