logo

Mais de 19 milhões de brasileiros não tem o que comer durante a pandemia do novo coronavírus no Brasil, que já dura mais de um ano. É o que revela a pesquisa “Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19”, desenvolvida pela PENSSAN (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar).

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

De acordo com o levantamento, 55,2% da população – equivalente a 116,8 milhões de pessoas – vive sob insegurança alimentar, que significa não ter acesso pleno e permanente a alimentos. Além disso, 11,5% não contam com comida em quantidade suficiente (insegurança alimentar moderada) e 9% – 19,1 milhões – passam fome (insegurança alimentar grave).

A pesquisa mostra que a pandemia de covid-19 agravou ainda mais o tamanho da fome no Brasil. Entre 2018 e 2020, o número de brasileiros sem comida no prato saltou de 10,3 milhões para 19,1 milhões. Ou seja, a quantidade de pessoas passando fome quase dobrou no período – de 5,8% para 9%.

Outro crescimento também preocupa: em 2018, 36,6% da população estava em situação de insegurança alimentar. O aumento foi de 18,6% em apenas dois anos. O estudo foi realizado durante os dias 5 e 24 de dezembro de 2020 em 2.180 domicílios brasileiros localizados em áreas urbanas e rurais das cinco regiões do Brasil. Para chegar aos números absolutos, a Rede PENSSAN utilizou dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

De acordo com o professor da UFRRJ e um dos coordenadores da pesquisa, Renato Maluf, a pandemia agravou um cenário que começou a piorar depois de 2015. “Em 2017 nós já tínhamos regredido ao patamar de 2004. Retrocedemos 15 anos em cinco. Não há a menor duvida que a pandemia agravou a situação da fome, mas é um processo que começou com a crise política e a crise econômica. Desemprego, precarização do trabalho, queda de renda e desmonte de programas públicos nos trouxeram até essa situação ”, afirmou o professor.

O levantamento foi realizado em dezembro, quando o país ainda estava sob efeito do auxílio emergencial do governo federal no valor de R$ 600. “Agora, a situação pode ser ainda pior com o auxílio emergencial em R$ 250”, finalizou.

Vai se vacinar? Aproveite para doar 1kg de alimento

Começou ontem a campanha “Vacina contra a Fome”, do governo de São Paulo. A iniciativa tem como objetivo arrecadar comida nos pontos de vacinação contra a covid-19. Quem for receber o imunizante pode aproveitar para doar arroz, feijão, óleo, macarrão e outros alimentos que compõem uma cesta básica.

Até o momento, 389 dos 645 municípios paulistas já aderiram à campanha. No site www.vacinacontraafome.sp.gov.br é possível verificar quais prefeituras estão participando da iniciativa, além dos alimentos que podem ser doados às famílias atingidas pela crise causada pela pandemia de covid-19 em São Paulo.

Divulgação/Governo de SP