logo

A Polícia Civil flagrou e prendeu 41 pessoas de ontem (dia 31) para hoje (dia 1º) na cidade de São Paulo por violação às medidas restritivas para contenção do novo coronavírus.

Na noite da última quarta-feira, agentes detiveram 33 indivíduos que estavam em uma casa de jogos na Rua Tuiuti, no bairro do Tatuapé.

Leia também:

Profissionais da Educação já podem se cadastrar para receber vacina contra a Covid-19

Confira ranking das cidades que mais vacinaram em São Paulo

A força ação, que teve como objetivo coibir a prática de jogos ilícitos e de fiscalizar o cumprimento das medidas sanitárias, contou as participações de equipes do BPChq (Batalhão de Polícia de Choque), da subprefeitura da Mooca, do vice-prefeito, do secretário Adjunto de Segurança Urbana, além da GCM (Guarda Civil Metropolitana).  

Com bases nas informações levantadas, os policiais conseguiram identificar o imóvel suspeito. Ao entrar no local, confirmaram que se trava de um estabelecimento do tipo videobingo, com cerca de 127 máquinas de jogos de azar. 

No momento do flagrante, foram encontrados apostadores e alguns funcionários, sendo todos qualificados como autores e conduzidos ao 31º DP (Vila Carrão). A polícia também apreendeu pastas com documento, molhos de chaves e boletos. 

Outro caso de desrespeito flagrado pela polícia

Na madrugada desta quinta-feira, a Polícia Civil deteve oito pessoas em uma festa clandestina no Parque São Rafael.

Equipes do Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas), Vigilância Sanitária e do Procon foram até um estabelecimento comercial localizado na Avenida Baronesa de Miritiba, onde havia uma denúncia que várias pessoas estavam se aglomerando no local.

Chegando ao endereço, as autoridades constatarem que nenhum dos presentes mantinha qualquer tipo de distanciamento e ninguém usava máscaras de proteção individual.  Além disso, o palco do evento era um ambiente pequeno sem a ventilação adequada.

Os responsáveis foram autuados por infração de medidas sanitárias preventivas e encaminhados ao DPPC (Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania). Foi elaborado um termo circunstanciado, sendo apreendidos um notebook, um microfone, três máquinas de cartão bancário, quatro equipamentos de som e R$1.167.      

Fase Emergencial

Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

O governo de São Paulo está atualmente na Fase Emergencial, prorrogada até o dia 11 de abril. A previsão inicial era de que a medida terminasse no dia 30 de março.

A gestão estadual decidiu pela prorrogação por conta do aumento de casos de Covid-19 e consequente colapso no sistema de saúde.

A Fase Emergencial estende a restrição de funcionamento de 14 atividades comerciais em todo Estado de São Paulo. Serviços de retirada de alimentos, celebrações religiosas coletivas, atividades esportivas e lojas de material para construção, entre outras, têm suas atividades proibidas nesse período.

A medida determina ainda a ampliação do toque de recolher, que agora passa a valer entre 20h e 5h. Todas as aglomerações e o uso de todos os parques públicos no Estado também estão proibidos.

Nesta fase, apenas os serviços de delivery e drive-thru podem continuar funcionando normalmente.

O governo fez ainda algumas recomendações, como o escalonamento do horário de entrada de funcionários da indústria (das 5h às 7h), do comércio (das 9h às 11h) e do setor de serviços (das 7h às 9h) para evitar aglomerações no transporte público.

Além disso, o uso de máscara em ambientes internos, inclusive entre familiares de residências diferentes, é prudente, assim como a redução das atividades presenciais nas escolas ao mínimo possível.

De acordo com o governo, as medidas provocam a remoção temporária de 4 milhões de pessoas de circulação nos municípios.