logo

O número de novos casos de câncer de mama em 2020 representou 11,7% do total de todos os diagnósticos da doença no ano, informou a Agência Internacional para a Investigação do Câncer, da OMS (Organização Mundial da Saúde).

A diferença para o câncer de pulmão não é muita, segundo a agência. Com 11,4% do total, o ele é o segundo mais diagnosticado, mas continua a ser aquele que mais pessoas mata.

Em 2020, o câncer de pulmão foi responsável pela morte de quase 1,8 milhão de pessoas, 18% do total de mortes por câncer. O câncer de mama, por sua vez, aparece apenas em quinto na lista de letalidade. Depois do pulmão, o ranking conta com câncer colorretal, fígado e estômago.

Segundo especialistas, uma das razões para que o câncer de mama tenha se tornado mais comum pode estar associada a fatores como envelhecimento da população, maternidade cada vez mais tardia, obesidade, sedentarismo, consumo de álcool ou dietas inadequadas.

Cuidados com a saúde

Identificar o câncer no início eleva as chances de cura. No caso do câncer de mama, o exame mais comum para identificar alguma alteração é a mamografia. No Brasil, ela é indicada para mulheres dos 50 aos 69 anos, mas pode ser solicitada mais cedo para aquelas com histórico familiar da doença.

Quanto ao autoexame, muitos médicos não o recomendam mais. O ideal é que a mulher se conheça como um todo e, percebendo qualquer mudança no corpo, procure um especislista imediatamente.

Além da rotina de exames médicos, é indicada a manutenção de uma alimentação saudável, assim como a regulação do sono. Ter momentos de lazer e autocuidado, sem esquecer do exercício físico, também são fundamentais para uma saúde completa.