logo

São Paulo registrou neste sábado (dia 27) 1.051 novos óbitos por Covid-19 referentes às últimas 24 horas, informou o governo do Estado.

A média móvel desta semana é de 618 mortes. A faixa de 1 mil foi ultrapassada nos dias 23, 26 e 27 devido à alteração dos critérios de notificação por Síndrome Respiratória Aguda Grave no SIVEP, que desencadearam oscilações nos dados diários no decorrer desta semana, mesmo com o cancelamento destas mudanças no dia 24 pelo Ministério da Saúde.

Leia também:

Duas vezes mais brancos do que negros são vacinados contra a Covid-19 no Brasil

Procura por profissionais da saúde cresceu mais de 700% em 2020, revela levantamento

Com a atualização de hoje, já são 71.747 vítimas fatais da doença em toda a pandemia. São 2.410.498 casos confirmados, sendo 2.062.273 recuperados. Entre eles, estão 240.087 pessoas que estiveram internadas e receberam alta hospitalar.

Na última sexta-feira (dia 25), havia 30.549 internados, sendo 12.674 pacientes em leitos de Terapia Intensiva e 17.875 em enfermaria.

As taxas de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) foram de 91,6% tanto no Estado quanto na Grande São Paulo.

Fase emergencial estendida contra Covid-19

Ainda ontem, o governo de São Paulo anunciou que a Fase Emergencial será prorrogada até o dia 11 de abril. A previsão inicial era de que a medida terminasse no dia 30 deste mês.

A gestão estadual decidiu pela prorrogação por conta do aumento de casos de Covid-19 e consequente colapso no sistema de saúde.

A Fase Emergencial estende a restrição de funcionamento de 14 atividades comerciais em todo Estado de São Paulo. Assim, serviços de retirada de alimentos, celebrações religiosas coletivas, atividades esportivas e lojas de material para construção, entre outras, têm suas atividades proibidas nesse período.

A medida determina ainda a ampliação do toque de recolher, que agora passa a valer entre 20h e 5h. Todas as aglomerações e o uso de todos os parques públicos no Estado também estão proibidos.

Nesta fase, apenas os serviços de delivery e drive-thru podem continuar funcionando normalmente.

De acordo com o governo, as medidas provocam a remoção temporária de 4 milhões de pessoas de circulação nos municípios.