logo

Os serviços considerados essenciais não vão alterar o horário de funcionamento mesmo com o toque de recolher previsto para todo o Estado de São Paulo das 20h às 5h a partir desta segunda-feira (15). Medidas mais restritivas foram anunciadas na quinta-feira passada pelo governo para tentar frear o avanço da covid-19. A secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado, Patrícia Ellen, disse em entrevista à BandNews FM que a recomendação, mesmo para padarias e supermercados, considerados serviços essenciais, era encerrar o funcionamento às 20h. Ela afirmou que os empresários deveriam priorizar o delivery no período do toque de recolher.

Mas associações e estabelecimentos consultados pelo Metro informaram que não haverá alteração no funcionamento. Por se tratar apenas de uma recomendação, os estabelecimentos na lista de essenciais não são obrigados a mudarem seus expedientes.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

A Apas (Associação Paulista de Supermercados) afirmou por meio de sua assessoria de imprensa que as novas restrições não afetam o setor. Em nota, a associação disse que vai reforçar as medidas de higiene.

A Apas pede ainda que as pessoas não se precipitem em fazer grandes estoques. “A associação também esclarece para a população que o fundamental direito de acesso aos serviços essenciais dos supermercados está mantido e a cadeia de abastecimento não será afetada, os estoques de produto estão em equilíbrio e que, portanto, não há a necessidade de uma corrida aos supermercados para o estoque de itens de primeira necessidade.”

O toque de recolher estadual não tem caráter punitivo, mas o governo do estado disse que haverá reforço no policiamento das 20h às 5h. Os agentes de segurança farão abordagens à população que circular neste período, com questionamentos sobre a necessidade de estarem na rua e com a recomendação de ficarem em casa. Portanto, mesmo com mercados e padarias abertos durante o toque de recolher, a recomendação é utilizar os serviços presencialmente apenas em caso de extrema necessidade.

A diretora da Apas Shirlei Castanha conta que o movimento nos supermercados já está menor. “A gente percebe nitidamente, desde a semana passada, que tem mais pessoas se recolhendo em casa. As vendas por aplicativo e comércio eletrônico  cresceram com a preocupação do público em não ir ao supermercado. Eles vão menos vezes nas lojas físicas e compram em maior quantidade.”

Entre os serviços essenciais, houve alteração de funcionamento apenas para lojas de material de construção. Neste caso, os estabelecimentos não podem funcionar presencialmente até o próximo dia 30.

Também foi proibida nesta etapa a retirada de produtos nas lojas físicas. Ela é permitida apenas no formato drive-thru. Delivery continua liberado 24 horas.

As novas restrições

Medidas válidas de hoje até o próximo dia 30 para todo o estado de São Paulo

Novas atividades com restrições completas
• Serviço de retirada (take-away) de todos os setores. Permitida apenas drive-thru (entre 5h e 20h) e delivery 24 horas
• Lojas de materiais de construção
• Celebrações religiosas (templos e igrejas permanecerão abertos para visitas)
• Atividades esportivas coletivas

Home office obrigatório para atividades administrativas em
• Órgãos públicos
• Escritórios de qualquer atividade, desde que o setor não seja essencial

Recomendação de entrada no trabalho (para evitar aglomeração no transporte)
• 5h às 7h – trabalhadores da indústria
• 7h às 9h – trabalhadores de serviços
• 9h às 11h – trabalhadores do comércio

Toque de recolher
• Será adotado das 20h às 5h, sem risco de multa ou prisão, mas com orientação de autoridades para quem for flagrado na rua

Podem funcionar
• Saúde: hospitais, clínicas, consultórios, farmácias e pet shops
• Alimentação: supermercados, mercados, açougues, feiras livres e padarias (sem consumo no local)
• Serviços gerais: hotéis, lavanderias, limpeza e manutenção, assistências técnicas, bancos e lotéricas, call center e bancas de jornais
• Logística: transporte público, táxis, carros por aplicativos, locadoras de veículos, oficinas mecânicas e estacionamentos
• Segurança: serviços de ordem pública (polícias e guardas municipais) e privada
• Abastecimento: Agropecuária, transportadoras e postos de combustível
• Produção: construção civil e indústrias

Continuam fechados
• Restaurantes e bares
• Comércios de rua e shoppings
• Academias
• Salões de beleza
• Cinemas, teatros e museus
• Concessionárias
• Escritórios

Como denuncio?
Canais para reclamar de aglomerações e atividades clandestinas:
• 0800 771 3541
• 3065 4666
• www.procon.sp.gov.br
[email protected]

Fonte: Governo do Estado de São Paulo