logo

Mais de 1.600 pessoas morreram ontem por covid-19 no Brasil. Enquanto isso, o presidente da República, Jair Bolsonaro, minimizou o luto das famílias e, novamente, criticou medidas restritivas de circulação que estão sendo tomadas em estados e municípios como estratégia para frear o contágio do novo coronavírus.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Durante cerimônia de inauguração de um ferrovia na cidade de São Simão, no estado de Goiás, o chefe do Executivo disparou: “Vocês não ficaram em casa. Não se acovardaram. Temos que enfrentar os nossos problemas. Chega de frescura, de mimimi. Vão ficar chorando até quando?”.

Horas antes, em Uberlândia, no estado de Minas Gerais, o presidente ofendeu as pessoas que estão pedindo a compra de mais imunizantes para a vacinação dos brasileiros. “Tem idiota que a gente vê nas redes sociais, na imprensa, [dizendo] ‘vai comprar vacina’. Só se for na casa da tua mãe. Não tem [vacina] para vender no mundo”, afirmou Bolsonaro a apoiadores.

Isso tudo no dia em que o Brasil ultrapassou a marca de 260 mil mortos por covid-19. Além disso, são 10.793.732 infectados, com registro de 75.102 novas contaminações ontem, segundo o Ministério da Saúde.