Governo vai retirar militares da Amazônia, diz Hamilton Mourão

Por METRO com Estadão conteúdo

O vice-presidente Hamilton Mourão anunciou que a ação militar na Amazônia, chamada de Operação Verde Brasil 2, não será prorrogada após seu término, em 30 de abril. Os militares estão na região desde junho de 2020 como reforço para as ações de fiscalização e combate aos crimes ambientais e fundiários, como desmatamento ilegal e queimadas.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

A decisão foi tomada durante a 4ª reunião do CNAL (Conselho Nacional da Amazônia Legal), que é presidido por Mourão. Na mesma ocasião, ele anunciou o novo Plano Amazônia 21/22 e mencionou “quatro eixos de atuação” para continuidade das ações na Amazônia.

O documento formulado para o projeto tem como foco “priorização de áreas onde a ocorrência da ilicitude pode impactar de maneira mais decisiva os resultados da gestão ambiental; aumento da efetividade da fiscalização e o fortalecimento dos órgãos; contenção dos ilícitos em conformidade com a lei; e disponibilização de alternativas socioeconômicas à população dentro do princípio do desenvolvimento sustentável”.

Próximos passos

Mourão também divulgou alguns resultados da Operação Verde Brasil 2 que vai nortear as próximas ações. “Nós levantamos que 70% do desmatamento e dos crimes ambientais ocorrem em 11 municípios. Sete estão localizados no Pará, um em Rondônia, dois no Amazonas e um no Mato Grosso. Eles foram elencados como as áreas prioritárias”, finalizou o vice-presidente.

Loading...
Revisa el siguiente artículo