Racha no DEM pode virar ‘debandada’

Por Metro

A eleição do deputado federal Arthur Lira (PP-AL) como presidente da Câmara desencadeou uma crise interna no DEM, partido do ex-comandante da Casa Rodrigo Maia. Em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada ontem, Maia afirmou ter sido traído pela cúpula da sigla e afirmou que vai deixá-la em breve.

Ele acusa o prefeito de Salvador e presidente do DEM, ACM Neto, e o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, de organizarem a saída da legenda do bloco do candidato à presidência Baleia Rossi (MDB-SP), que era apoiado por ele.

“O partido voltou ao que era na década de 1980, para antes da redemocratização, quando o presidente do partido aceita inclusive apoiar o Bolsonaro”, disse. “O DEM decidiu majoritariamente por um caminho, voltando a ser de direita ou extrema-direita, que é ser um aliado de Bolsonaro”, completou.

As declarações logo foram respondidas pelas lideranças do partido. “Rodrigo Maia se encastelou no poder conquistado e, agora, demonstra surpreendente descontrole”, afirmou ACM Neto. “A entrevista de Maia não deve ser considerada pela classe política porque é indicadora de internação hospitalar”, disparou Caiado.

Com a desfiliação de Maia do DEM encaminhada depois de o partido sinalizar apoio ao governo federal, outros quadros da sigla também podem sair. É o caso do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que deixou o cargo no governo de Jair Bolsonaro em abril do ano passado após desentendimentos com o presidente sobre a gestão da crise de saúde provocada pela pandemia de covid-19.

Convite feito

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), convidou formalmente Rodrigo Maia para se filiar ao PSDB. Segundo o tucano, que recebeu o deputado no domingo em sua residência na capital paulista, o parlamentar disse que vai analisar a proposta e que não tomará uma decisão imediatamente.

Veja as declarações de ontem da discussão entre lideranças do DEM

“A movimentação da cúpula do partido, principalmente do seu presidente e do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, deixou claro que há a intenção de aproximação maior com o governo Bolsonaro. Ficar contra é legítimo, falar uma coisa e fazer outra, não. Falta caráter, né?”

Rodrigo Maia, deputado federal e ex-presidente da Câmara, Sobre o DEM desistir de apoiar Baleia Rossi (MDB-SP) e vOtar em peso no candidato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Arthur Lira (PP-AL)

“Ao invés de escutar quem sempre esteve ao seu lado, e fazer com serenidade e honestidade o exercício da autocrítica, o deputado Rodrigo Maia se encastelou no poder conquistado e, agora, demonstra surpreendente descontrole”

ACM Neto, prefeito de Salvador e presidente do DEM, em resposta

“A entrevista de Maia não deve ser considerada pela classe política porque é indicadora de internação hospitalar. Depois de ter sido eleito por três vezes presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo achou que era proprietário das decisões de todos os deputados do DEM”

Ronaldo Caiado, governador de Goiás, em resposta

Loading...
Revisa el siguiente artículo