São Paulo propõe prorrogar auxílio por mais 3 meses

Por METRO

Já está nas mãos dos vereadores da capital o projeto de lei proposto pela prefeitura que estende o pagamento do auxílio emergencial de R$ 100 por mais três meses.

O texto foi entregue na quinta-feira (4) pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) e precisa passar por duas votações até que seja aprovado em definitivo.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

A tramitação, porém, deve ocorrer sem problemas, uma vez que a base de apoio do governo já conta com a maioria entre os 55 vereadores e mesmo a oposição deve votar favorável ao projeto.

O primeiro auxílio, aprovado em outubro e sancionado em novembro, já havia concedido um benefício de R$ 100 por três meses, mas venceu no mês passado.

O pagamento é voltado para as famílias em situação de vulnerabilidade e para os comerciantes informais, que estão entre os mais afetados pela crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Poderão receber o benefício os moradores da capital inscritos no Bolsa Família e também os trabalhadores ambulantes que possuem TPU (Termo de Permissão de Uso) ou estão cadastrados no sistema Tô Legal.

O auxílio continuará com o valor de R$ 100 e será pago por três meses. Pessoas com deficiência receberão R$ 200, pelo mesmo período. A expectativa da prefeitura é beneficiar quase 1,3 milhão de pessoas, com investimento de R$ 420 milhões. Os números são similares aos do primeiro auxílio.

Covas pediu apoio dos vereadores e disse que o projeto “não é só do interesse do Executivo, mas de toda a cidade”. Presidente da Câmara, o vereador Milton Leite (DEM) disse que a prorrogação “é a prioridade” do Legislativo.

A Renda Básica Emergencial proposta pela Prefeitura de São Paulo

O que é?

O programa oferece benefício de R$ 100 por três meses para as famílias mais vulneráveis em função da crise provocada pela pandemia da covid-19. Pessoas com deficiência, independentemente da idade, receberão R$ 200, pelo mesmo período – desde que não recebam
o BPC (Benefício de Prestação Continuada)

Quem pode receber?

Moradores da capital inscritos no Bolsa Família e trabalhadores ambulantes que possuam o TPU (Termo de Permissão e Uso) ou que estejam cadastrados no sistema Tô Legal – desde que atendam aos critérios do Bolsa Família

Loading...
Revisa el siguiente artículo