logo
/ Folhapress
Foco 16/11/2020

Eleições 2020: Ex-presidentes batem ponto na ‘festa da democracia’

Se em outras épocas eles foram os protagonistas. nas eleições de ontem os ex-presidentes Michel Temer (MDB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foram “apenas” ilustres convidados para a festa.

Logo cedo, pouco depois de 7h, nos primeiros minutos após a abertura das urnas na PUC-SP, Temer estava lá para registrar seu voto. Diferentemente das últimas eleições, ele não levou a mulher e o filho e, acompanhado de dois seguranças, o político ficou pouco tempo na sessão. Na saída, em breve contato com jornalistas, falou que votaria no candidato escolhido pelo MDB, seu partido, que oficializou apoio à Bruno Covas (PSDB). “Que vença o melhor.”

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Muito menos discreto  em relação ao seu apoio foi Fernando Henrique Cardoso. Perto das 10h30, o expresidente foi a pé de seu apartamento até o Colégio Sion, em Higienópolis, zona oeste, onde fica sua seção. Mas não sozinho. Além do ex-senador Aloysio Nunes Ferreira, também o acompanhou o próprio candidato tucano Bruno Covas.

Na saída do local votação, FHC disse aos jornalistas que “claro” que havia votado em Covas. Questionado sobre um possível retorno do protagonismo do PSDB, ele alertou para as diretrizes que o partido teria que debruçar com mais atenção. “Tem que olhar para o povo. Não se esquecer que a situação é difícil. Quem está em situação um pouco melhor não deve por isso se enganar. Há muito problema de emprego no Brasil. Temos outro problema que é a queimação do país lá fora. Há uma arrogância do governo atual”, disse FHC, referindo-se ao atual presidente Jair Bolsonaro.

Já Lula votou em São Bernardo, por volta das 8h30, na escola estadual Jose Firmino Correa de Araujo. Sua votação, inclusive, foi transmitida ao vivo pelo perfil do político no Facebook.

Quando saiu do colégio, disse estar confiante no desempenho do PT nestas eleições. “Acredito que o PT sairá fortalecido após muita gente apostar no fim do partido. Acho que vamos recuperar muitas que tínhamos perdido e vamos ganhar em novas.”