logo
Além da Lua, ilustração apresenta o Observatório Sofia: um Boieng 747SP / Nasa/Ames Research Center
Foco 27/10/2020

Nasa encontra moléculas de água na parte clara da Lua

Dados do Observatório Sofia (um Boeing 747SP da Nasa que possui um telescópio interno) confirmaram pela primeira vez a presença de água no lado iluminado da Lua. Até então, pesquisadores já haviam encontrado água sólida (gelo) na parte escura do satélite. Até ontem a tarde a Nasa não havia confirmado o estado da água lunar, mas cientistas acreditam que ela pode estar em formato gasoso.

Com a descoberta, a série de moléculas de água (H2O) levanta curiosidades sobre como o recurso será utilizado para compreender a formação da água em uma atmosfera sem ar. Além disso, a pesquisa indica que a presença de água na Lua não está limitada a locais frios e sem sol.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

“A água é um recurso valioso, tanto para fins científicos quanto para uso de nossos exploradores”, disse Jacob Bleacher, cientista-chefe de exploração do Diretório de Exploração Humana e Missão de Operações da Nasa. “Se pudermos usar os recursos da Lua, poderemos carregar menos água e mais equipamentos para ajudar a possibilitar novas descobertas científicas”, completou.

De acordo com o telescópio instalado na aeronave, cerca de 350 mililitros de água presa foram encontrados dentro da cratera Clavius, na parte sul da Lua. De acordo com os dados da Nasa, para comparação, o deserto do Saara, na África, apresenta 100 vezes a quantidade de água detectada na Lua.

O anúncio também é interpretado como um incentivo à operação Artemis. De acordo com a agência espacial norte-americana, o projeto, que levará a primeira mulher à Lua em 2024, também retomará missões.