logo
Chuva forte causou estrago em Ribeirão das Neves, região metropolitana de Belo Horizonte | / Alex de Jesus/Folhapress
Foco 27/10/2020

Após onda de calor, agora é a vez das tempestades

Clima. Marinha e Inmet alertam para grande quantidade de chuvas e possíveis alagamentos em ao menos oito estados, principalmente no Sul

Depois de enfrentar a onda de calor que fez os termômetros registrarem temperaturas acima dos 40ºC por dias seguidos, algumas regiões do Brasil agora podem sofrer com outro fenômeno que costuma deixar rastros por onde passa: as tempestades.

Conforme previsão do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), estados das regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste estão em alerta laranja para “chuvas intensas”. No Rio Grande do Sul, no Mato Grosso do Sul e em Santa Catarina, por exemplo, o volume de precipitação pode chegar a 100 mm em algumas cidades hoje.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

O Inmet também alerta para ventos intensos com velocidade de até 80 quilômetros por hora. A combinação de chuva e vento pode causar alagamentos, queda de árvores e risco de corte de energia elétrica.

No domingo, uma das áreas mais castigadas foi a Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Ontem, o dia foi dedicado a contar os prejuízos causados pela chuva, principalmente na cidade de Ribeirão das Neves. O alerta laranja também está ativo entre o sul da Bahia e o norte de Minas Gerais.

Ciclone

Um dos causadores das tempestades com rajadas de ventos é um ciclone que está sendo formado entre as costas das regiões Sul e Sudeste. Além do vento forte, o fenômeno pode fazer com que ondas em alto-mar fiquem com altura de até quatro metros, o que também liga um alerta em todo o litoral destas regiões.  

São Paulo já tem outubro mais chuvoso desde 2009

Mesmo com a primeira quinzena do mês marcada pelo calor, São Paulo já tem o outubro mais chuvoso desde 2009.

Conforme os números medidos pelo Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), o acumulado do mês está em 161 mm até o momento, o mais alto desde os 163 mm medidos em 2009.

A previsão até o fim do mês tem algumas pancadas de chuva na capital. No interior, tempestades podem passar por Bauru, Presidente Prudente e São José do Rio Preto.