Pobreza atingiu 40,9% da população argentina em setembro

Mais de 2,9 milhões terminaram o mês em situação de miséria absoluta no país

Por Metro World News

A taxa de pobreza na população da Argentina disparou em 2020. No mês de setembro, 40,9% dos habitantes ficaram na linha da pobreza, de acordo com relatório do Instituto Nacional de Estatísticas e Censos da Argentina (Indec) divulgado nesta quinta (1º).

Ainda, 2,9 milhões de argentinos (10,5% da população) vivem em situação de miséria absoluta. Esta é a pior taxa de pobreza registrada desde 2004, quando a crise econômica de 2001 colocou 44,3% dos moradores do país nesta faixa de renda.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Vale Outubro

O número registrado no último mês é 5,5% maior do que no primeiro semestre de 2019. O presidente da Argentina, Alberto Fernández, que tomou posse em dezembro do ano passado, atribuiu os resultados aos efeitos da pandemia.

O Indec justificou, também, que que a pesquisa semestral ocorreu nos meses em que a queda de renda e o aumento do desemprego foram os mais fortes, como consequência das medidas preventivas de isolamento para conter a covid-19.

Para o chefe de Estado argentino, os resultados econômicos "teriam sido muito piores se o Estado não tivesse intervindo com medidas de apoio".

Setembro teve maior número de incêndios já registrado no Pantanal, diz Inpe

Relatório também mostra que 2020 foi o ano com mais queimadas desde 1998, quando o monitoramento começou

Loading...
Revisa el siguiente artículo