logo
/ Adriana Toffetti/A7 Press/Folhapress
Foco 30/09/2020

Eleições 2020: Cresce a proporção de candidatos negros em São Paulo

O percentual de candidatos que se declara negro em São Paulo cresceu nesta eleição em comparação com o pleito de quatro anos atrás enquanto que a proporção de postulantes brancos caiu.

O índice de concorrentes a prefeito e vereador autodeclarados pretos e pardos (considerados negros pela classificação do IBGE) passou de 32,3%, na eleição de 2016, para 38,5% neste ano, o que representa aumento de 6,2 pontos percentuais.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Já o total de candidatos brancos, que era de 66% em 2016, teve queda de 5,8 pontos percentuais e está agora em 60,2%. Os dados são do registro de candidaturas do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

No estado de São Paulo, 69,1% dos candidatos se declararam brancos e 29,3%, negros. Em todo o país, essa é a primeira vez desde 2014 (quando a Justiça Eleitoral começou a compilar dados de cor ou raça), que haverá mais candidatos negros (49,9%) do que brancos (47,7%).

Contexto

A partir dessas eleições, por ordem do STF (Supremo Tribunal Federal), os partidos são obrigados a dividir o dinheiro para as campanhas (que só do fundo eleitoral terão R$ 2 bilhões) e o tempo de propaganda no rádio e na TV de forma proporcional entre candidatos negros e brancos.

A decisão foi tomada  no mês passado a partir de consulta feita pela deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) que contou com apoio jurídico da Educafro – entidade que prol da inclusão social de afrodescendentes.

Diretora de Políticas Públicas, Diversidade e Inclusão da Educafro, Daiane Ribeiro afirmou que a decisão que determina a divisão proporcional da estrutura partidária e o aumento da participação de negros “são ganhos imensos, mas que revelam que ainda há muito que lutar”.

Sub-representação

Os negros correspondem a mais da metade da população do país (54,9%, segundo o IBGE), mas são sub-representados na política e não recebem o mesmo suporte dos partidos que os candidatos brancos. De acordo com levantamento do próprio IBGE, 24,4% dos deputados federais eleitos em 2018 são negros. No mesmo ano, enquanto 9,7% das candidaturas de pessoas brancas tiveram receita de mais de R$ 1 milhão, entre os candidatos negros esse número ficou em 2,7%.