Foco

Polícia e MP do Rio cumprem 25 mandados de busca e apreensão contra o Comando Vermelho

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio cumprem nesta quinta-feira (17) 25 mandados de busca e apreensão, em cinco estados, com o objetivo de desarticular um esquema de lavagem de dinheiro na facção criminosa Comando Vermelho.

Entre os alvos estão Marcio Santos Nepomuceno, conhecido como Marcinho VP, que é apontado como chefe da organização criminosa, e Elias Maluco, condenado pelo assassinato do jornalista Tim Lopes.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Veja também:
Polícia prende o número 1 na lista de procurados do Ministério da Justiça
Câmara do Rio vota novo pedido de abertura de processo de impeachment contra Crivella

A ação é um desdobramento da primeira fase da operação Overload, que condenou 61 traficantes da alta hierarquia da facção. De acordo com as investigações, os acusados atuam de dentro de presídios federais e controlam o tráfico de drogas em comunidades espalhadas pelas cidades do Rio de Janeiro, Niterói e São Gonçalo, além de municípios da Baixada Fluminense.

Segundo a Policia Civil, Elieser Miranda Joaquim, conhecido como Criam – também alvo da operação – compra drogas e armas e dá ordem às comunidades da Baixada Fluminense de dentro da cadeia. Ele é o responsável por controlar toda a parte financeira e repassar o lucro do tráfico e de outros tipos de explorações, como venda de gás e sinal de TV a cabo, à família de Elias Maluco.

Durante as investigações, a polícia teve acesso à prestação de contas e contabilidade de várias comunidades comandadas pelos alvos da ação. Somente na Baixada Fluminense, onde o grupo tem maior atuação, o faturamento mensal chega a mais de 7 milhões de reais, sendo que 20% do lucro é destinado aos chefes da organização.

Ao longo da investigação, a Polícia Civil identificou ainda inúmeras negociações de vendas de armas e drogas pela facção criminosas e solicitou à Unidade de Inteligência Financeira um relatório sobre as movimentações da quadrilha. A quebra de sigilo fiscal de 10 pessoas e 35 empresas apontou para a movimentação financeira, em pouco mais de um ano, de mais de 200 milhões de reais.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos