Junho deste ano teve maior número de queimadas na Amazônia dos últimos 13 anos

Por Metro World News com Ansa

Junho deste ano teve o maior número de queimadas na Amazônia para o mês dos últimos 13 anos, com 2.248 incêndios registrados no bioma. Os dados são do Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O número perde apenas para junho de 2007, quando foram registrados 3.159 focos ativos de queimadas florestais. Os registros não superavam 2 mil desde então, ficando em 1.880 em junho do ano passado.

LEIA MAIS:
‘Percorre o pior caminho que um presidente pode percorrer, diz Lula sobre Bolsonaro
Governo de São Paulo prevê entre 3 mil e 8 mil mortes por covid-19 em julho

O instituto contabilizou, ao longo de todo o primeiro semestre de 2020, quase 11 mil focos ativos de incêndio. Enquanto o mesmo período do último ano, quando as queimadas no bioma viraram pauta internacional entre veículos de imprensa e políticos mundiais, registrou 8.821 queimadas, 10.935 ocorrências foram monitoradas pelo Inpe de janeiro a junho deste ano.

O Brasil já foi cobrado internacionalmente por causa das queimadas na floresta em 2019, que colocaram em risco inclusive o acordo comercial entre União Europeia e Mercosul. Com a pandemia monopolizando as notícias globais neste ano, garimpeiros e fazendeiros continuaram a atuar ilegalmente no bioma amazônico, apesar das medidas de quarentena e isolamento social. Os incêndios costumam servir como operações de limpeza para preparar o solo para futuros plantios ou para criação de gado.

Além dos prejuízos à flora e fauna amazônicas, as queimadas também produzem doenças respiratórias com sintomas bastante similares aos da covid-19, provocada pelo novo coronavírus.

Intoxicação por queimadas pode colapsar a saúde pública durante pandemia

Aumento de pessoas com problemas respiratórios oriundos das queimadas pode agravar a situação do sistema de saúde já sobrecarregado com a covid-19

Loading...
Revisa el siguiente artículo