"Foi uma situação de guerra", diz enfermeira brasileira na Itália

Por Rádio Bandeirantes

"As cenas que eu vivi no hospital eu vou levar comigo para o resto da vida; foi uma situação de guerra." O relato é da enfermeira brasileira Cláudia Aparecida de Moraes, funcionária de um hospital de Milão, uma das regiões mais atingidas pela covid-19 na Itália.

Cláudia contou na entrevista à Rádio Bandeirantes que demorou para acreditar que a situação ia chegar ao caos que se tornou o sistema de saúde do país.

Para evitar contaminar a família dela, Cláudia se isolou; desde então, passou a viver em um quarto em outro endereço, longe do marido e da filha.

Ela conta que vai todos os dias para o hospital com uma mala, porque várias vezes fica por lá, dependendo da situação do pronto-socorro.

A enfermeira relatou que, quando a quantidade de pacientes em estado grave se tornou maior do que a capacidade de atendimento do hospital onde trabalha, médicos tiveram que escolher de quem cuidar primeiro.

A quarentena na Itália, o país mais atingido pela covid-19 na Europa, vai até o dia 3 de maio.

O governo começou a reabrir aos poucos os comércios das regiões menos atingidas para evitar novos surtos até que a doença esteja controlada.

Mais de 22 mil pessoas morreram vítimas da doença no país.

Loading...
Revisa el siguiente artículo