logo

Basta os primeiros acordes do violão pelo auditório do CHM (Centro Hospitalar Municipal) de Santo André para que o coral composto por 15 pacientes e acompanhantes tome forma. Cada um canta do seu jeito, já que nem todos conseguem falar. Alguns acompanham a letra do começo ao fim e outros colaboram com assobios, gestos ou batuque improvisado na cadeira.

coral hospital santo andré

Essa cena acontece todas as últimas quartas-feiras do mês, das 10h às 11h. O coral é formado por pacientes que lutam contra câncer na região da cabeça e pescoço ou que sofreram lesão nessa parte do corpo em decorrência de acidentes.

O projeto, intitulado Sons da Esperança, existe há 13 anos no CHM e é encabeçado pela fonoaudióloga Sonize Albuquerque Gimezes. De acordo com a médica, a dinâmica tem como objetivo colaborar com a reabilitação social e psicológica do paciente por meio da música.

“As doenças nessa região têm um componente mais pesado, que é a questão de ser muito visível. Então o grupo também funciona para que o paciente, além de tirar a máscara que esconde as sequelas da doença, também tire a mágoa que sente com a ajuda da música”, explicou Sonize. Boa parte dos integrantes do coral possui deformações no rosto por causa do câncer.

“Muitas dessas pessoas carregam frustrações e humilhações por causa da doença. Com a música, eles choram, desabafam e também se divertem”, disse a médica.

Sonize começa a auxiliá-los assim que eles dão entrada no hospital e iniciam o tratamento e a recuperação física. Eles são convidados a participar do projeto e, caso necessário, indicados para outros profissionais, como psicólogo, posteriormente.

O ajudante geral Márcio Fernandes Ribeiro, 54 anos, passou por 33 sessões de radioterapia e três de quimioterapia na luta contra um câncer na laringe. O órgão teve de ser retirado e agora o paciente se comunica com uma técnica de fala por meio do ar do esôfago e da articulação da mandíbula para facilitar a leitura labial. Fernandes dita o ritmo do coral com assovio e batuque para superar os tempos de cigarro e bebida, vícios que o levou ao câncer.

A esposa dele, Vera Lúcia Leal Fernandes, 54, diz que o projeto ajudou a família no momento mais difícil da sua vida. Ela também faz parte da cantoria e os dois frequentam o coral há um ano e seis meses. “No mesmo momento que ele ficou doente, eu fiquei desempregada. Poder acompanhá-lo e ainda ajudá-lo a cantar fez a gente se unir quando tudo estava mal. Hoje estamos bem, mas já sofremos muito”, disse.

coral hospital santo andré

Professora abraça idosa que se
emocionou na aula

Poder da música

“É preciso saber viver”. Essa foi a música que abriu o encontro de ontem no CHM. Logo após a canção, a fonoaudióloga Sonize iniciou a conversa com o grupo para tentar estimulá-los a debater quais são os motivos para seguir em frente após a doença.

A musicista voluntária Rita Maria Silva é a responsável pelo violão. Para ela, a música tem a característica de fazer com que as pessoas demonstrem as emoções sem barreiras.

“As canções tocadas condizem com a fase que eles estão passando. Tem o momento de chorar, mas também o de parar de lamentar e seguir em frente”, afirmou.

‘Eu me emocionei bastante’

A aposentada Alcina Augusta da Costa, 78 anos, foi a última a chegar no encontro de ontem. Ela estava de máscara para esconder parte do rosto que está deformado por causa da cirurgia realizada há um mês. Alcina é vítima de câncer na tireoide e participou do projeto pela primeira vez.

A paciente não segurou as lágrimas e chorou durante uma das canções. “Me emocionei porque lembrei do meu marido com a música. Gostei do encontro e acredito que vai me ajudar bastante”, explicou a aposentada. Apesar de cobrir parte da face, ela foi convencida pelo grupo a retirar a máscara e o lenço. “Estamos entre amigos e ninguém vai te tratar diferente”, afirmou a fonoaudióloga Sonize Gimenez.