logo

Manifestantes estão se reunindo em frente ao Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro na tarde desta segunda-feira (3). Eles expressam solidariedade por conta do incêndio que atingiu o espaço na noite do último domingo (2) e cobram investigação do incidente.

Leia mais:
O que tinha no acervo do Museu Nacional do Rio de Janeiro e que foi consumido pelo fogo
Imprensa internacional repercute incêndio no Museu Nacional no Rio

No início do protesto, guardas municipais precisaram usar bombas de efeito moral para dispersar a multidão. O portão de acesso à Quinta da Boa Vista foi trancado com algemas depois que centenas de manifestantes, servidores e funcionários da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), representantes de movimentos estudantis e até de partidos políticos tentaram entrar no momento em que o local foi aberto para veículos.

Mesmo assim, a Polícia acabou liberando o acesso dos manifestantes às proximidades do museu a partir das 13h.

Enquanto isso, já passa de 17 horas o trabalho do Corpo de Bombeiros no prédio do museu. O local foi a residência da família imperial brasileira e guardava o maior acervo de história natural da América Latina, além de peças de importância antropológica vindas de diversas partes do mundo.