Foco

Prostitutas de Bruxelas fazem greve em protesto após assassinato de colega

Profissionais do sexo prometem manter fechadas as vitrines onde costumam expor seus corpos à espera de clientes; nigeriana de 23 anos foi apunhalada em rua da capital belga.

Ao chegar à estação Nord de Bruxelas nesta quarta-feira, os passageiros dos trens não verão pelas janelas as luzes de neon que caracterizam a «zona vermelha», a região central da capital belga onde se concentram bordéis e cabines de prostituição.

ANÚNCIO

As prostitutas declararam greve e prometem manter fechadas as vitrines onde costumam expor seus corpos à espera de clientes.

Com o movimento inédito, querem protestar contra a crescente falta de segurança para exercer seu trabalho, regularizado como profissão pela legislação belga.

  1. Exclusivo: Por dentro de uma ‘clínica secreta’ de aborto no WhatsApp
  2. A rainha africana que liderou resistência aos portugueses e se tornou símbolo

A decisão foi tomada depois do assassinato de uma colega na madrugada de terça-feira.

A vítima, uma imigrante nigeriana de 23 anos, foi apunhalada várias vezes em uma rua do bairro e ainda não há pistas sobre os autores do crime.

«Pedimos a todos os trabalhadores do sexo que podem permitir-se que parem de trabalhar ou expliquem a seus clientes o motivo de sua comoção», convocou o sindicato do setor (UTSOPI).

Profissionais do sexo querem mais segurança

‘Polícia não está nem aí’

Segundo a organização, as prostitutas de origem africana se sentem discriminadas e abandonadas pela polícia local.

ANÚNCIO

«Quando acontece alguma coisa, nós ligamos e a polícia aparece uma hora depois, quando já é tarde demais. A polícia não está nem aí porque somos negras», acusou uma delas, que pediu para não ser identificada, em entrevista à televisão pública RTBF.

A emissora denunciou, no início do ano, os abusos que sofrem as trabalhadoras do sexo originárias da Nigéria, muitas delas obrigadas a prostituir-se para reembolsar dívidas contraídas para chegar à Europa.

«Elas têm que trabalhar sem parar porque têm dividas de até 20 mil euros para pagar. Se não, colocam em risco suas vidas e a de suas famílias», afirma Sarah De Hovre, diretora do centro Pag-Asa, que ajuda vítimas de tráfico humano.

Nos últimos meses, a polícia belga multiplicou as batidas de fiscalização e desmantelou várias redes de tráfico e de proxenetismo na capital, principalmente no «bairro da luz vermelha».

Se a prostituição como atividade privada é legal na Bélgica, beneficiar-se da prostituição alheia é um crime.

UTSOPI se reunirá nos próximos dias com as autoridades belgas para discutir como melhorar a segurança dos trabalhadores do sexo.

ANÚNCIO

Tags


Últimas Notícias