Foco

Quem é Braga Netto, o general que vai comandar a intervenção federal no Rio

General, que passa a liderar segurança fluminense após decreto de Temer, é respeitado pela tropa e tem experiência, mas já manifestou reservas a operações do tipo.

Respeitado pela tropa, «durão» e experiente é como colegas definem o general de Exército Walter Souza Braga Netto, que assume o comando da segurança pública no Estado do Rio de Janeiro após o decreto do presidente Michel Temer determinando uma intervenção federal.

Com a decisão de Temer, anunciada nesta sexta-feira, toda a cadeia de comando das forças de segurança fluminenses passa a responder a Braga Netto, atual líder do Comando Militar do Leste (CML). O interventor passa a controlar a Polícia Civil, a Polícia Militar, os bombeiros e administração penitenciária. Já o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Roberto Sá, entregou o cargo.

  1. Intervenção no Rio: Para especialistas, medida é paliativo necessário, mas dificilmente resolve problema de segurança
  2. Como a exploração de uma árvore nativa pode ajudar a reduzir o desmatamento na Amazônia

As críticas de comandantes militares à atuação das Forças Armadas na segurança pública não são novas – e muitas foram feitas abertamente.

A falta de treinamento específico para ações de policiamento é um dos motivos. Outro motivo, que foi exposto por um general durante uma palestra na Vila Militar recentemente, é que muitos no alto comando consideram que o poder público civil tem lançado mão das Forças Armadas como cortina de fumaça, sem que o Estado «entre junto no morro» com ações de infraestrutura que poderiam efetivamente consolidar uma situação de paz.

O próprio general Braga Netto afirmou, no ano passado, que vê «com reservas» a atuação das Forças Armadas nos esforços de estabilização da segurança pública urbana.

Durante uma palestra em agosto de 2017 no Centro Cultural Justiça Federal, o militar afirmou que as operações do tipo Garantia de Lei e Ordem (GLO) têm alguma eficácia, mas um alto custo financeiro, social, logístico e até mesmo psicológico para as Forças Armadas e seriam desnecessárias se os Estados tivessem políticas de segurança pública mais eficientes, segundo reportagem veiculada no portal do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2).

Nesta sexta-feira, durante entrevista coletiva sobre a intervenção federal no Rio, o general afirmou que não tinha nada a adiantar sobre quais seriam suas ações práticas como interventor.

«Eu recebi a missão agora. Nós vamos entrar numa fase de planejamento. No momento, não tenho nada que eu posso adiantar para os senhores. Vamos fazer um estudo, vamos conversar com todos. E nossa intenção é fortalecer ainda mais o sistema de segurança do Rio de Janeiro, para voltar a atuar conforme merece a população carioca», afirmou Braga Netto, que responde apenas ao presidente Michel Temer.

O interventor não terá qualquer controle sobre outras áreas da administração fluminense. Nem sobre outros poderes – as atividades do Ministério Público Estadual, por exemplo.

Experiência no Rio

O conhecimento do terreno, para Braga Netto, não será um problema. No Exército desde 1975, o general atuou no Rio durante grande parte da sua carreira. Ele foi comandante do 1º Regimento de Carros de Combate, quando ainda estava instalado em solo carioca. Braga Netto ficou à frente do batalhão de 2002 a 2004.

Em seu último ano no comando, foi iniciado o processo de transferência do grupo para Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Fora do Rio, Braga Netto comandou, também, a 5ª Brigada de Cavalaria Blindada, em Ponta Grossa, no Paraná.

Nascido em Belo Horizonte, o novo comandante provisório da segurança pública no Rio é visto entre seus pares como um nome de «forte liderança» e «bem articulado». Parte da articulação pode ser atribuída aos «estágios» na área diplomática feitos pelo militar.

Quando ainda era coronel, Braga Netto ocupou o cargo de adido militar do Brasil na Polônia, entre os anos de 2005 e 2006. Braga Netto foi promovido a general de divisão no governo Lula, em novembro de 2009.

Em 2012, passou a ocupar a aditância militar nos Estados Unidos e Canadá – enquanto exercia o cargo em Washington, foi promovido a general de Exército. Pouco depois da promoção, em 2013, foi exonerado para, em maio, assumir a função de diretor de Educação Superior Militar, no Rio de Janeiro.

No mesmo ano, por decreto assinado pela então presidente Dilma Rousseff, o general recebeu o grau de Grande-Oficial da Ordem do Mérito Militar.

Ainda no Rio, Braga Netto foi o responsável pela segurança dos Jogos Olímpicos de 2016, antes de ser nomeado para assumir o Comando Militar do Leste.

Um oficial que serve no Rio descreve Braga Netto como um militar rígido, mas que não compartilha o pensamento «linha dura» de outros generais como o chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, Sérgio Etchegoyen, ou Carlos Alberto dos Santos Cruz, na reserva.

O problema a ser enfrentado pelo general é o mesmo de outras operações como as GLO feitas em favelas cariocas: usar a inteligência para evitar que toda a ação acabe «enxugando gelo» como acabou ocorrendo nos casos da atuação militar nos complexos do Alemão e da Maré, na avaliação da caserna.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos