Foco

Jacarés que vivem no Canal das Tachas estão sendo maltratados no Rio de Janeiro

Os jacarés que vivem no Canal das Tachas, na comunidade do Terreirão, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste, estão sofrendo maus tratos há pelo menos cinco anos. O principal objetivo é negociar a carne do animal.

Segundo pesquisadores do Instituto do Jacaré, dois jacarés do Papo Amarelo foram encontrados amordaçados por arames e plástico. Acionado, o Corpo de Bombeiros foi ao local na última quarta-feira, mas não conseguiu resgatar os animais, pois não havia equipamentos necessários.

O biólogo do Instituto do Jacaré, Ricardo Freitas, denuncia que pessoas estão caçando rotineiramente, mesmo com o parque sendo fiscalizado. “As pessoas estão caçando e tentando capturar os jacarés com uma enorme frequência, de baixo do nariz dos parques. O que a gente está vivenciando hoje nada mais é do que um reflexo de coisas que já vêm sendo faladas há muito tempo na secretaria, nos parques, publicamente e praticamente ninguém dá ouvidos”, reclama.

A Patrulha Ambiental e o Instituto do Jacaré conseguiram resgatar um dos animais na quinta-feira. Após a retirada do fitilho, que exercia pressão na mandíbula superior do jacaré de 2m20, ele foi encaminhado ao Parque Chico Mendes, onde foi solto em seu habitat natural. A espécie é considerada ameaçada e corre risco de extinção.

O outro réptil, que está com as mandíbulas presas e com um anzol no esôfago, subiu o canal, impossibilitando o resgate.

O biólogo Mário Moscatelli afirma que essa situação é um crime contra a fauna e a saúde pública. “O sistema de lagoas se transformou em um safári. Essa carne de caça estaria sendo vendida ou sendo utilizada em restaurantes voltados para esse tipo de carne. Vale a pena lembrar, para quem está comprando e comendo essa carne, é que esses animais estão contaminados, pois vivem em um ambiente completamente degradado.”

O principal problema é a falta de fiscalização pelos órgãos responsáveis. Uma quantidade grande de jacarés mortos está aparecendo no canal constantemente dentro e fora das unidades de conservação.  

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos