Foco

Famílias de diplomatas têm de deixar a Venezuela, diz EUA

Os Estados Unidos ordenaram na noite desta quinta-feira que os familiares de diplomatas do país deixem Caracas diante do aumento da violência antes da votação para uma nova Assembleia Constituinte, que ocorre no domingo. Ao mesmo tempo, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, terminou a campanha afirmando mais uma vez que os americanos tentam interferir em assuntos domésticos, mas abriu a possibilidade de diálogo com a oposição.

Ao fazer a determinação, o Departamento de Estado americano citou o aumento dos crimes e a falta de alimentos e medicamentos do país. O órgão permitiu também que os trabalhadores do governo dos Estados Unidos abandonem a embaixada em Caracas. Os que optarem por ficar terão as atividades limitadas. A circular pede ainda que os cidadãos americanos não façam viagens para a Venezuela.

A determinação do Departamento de Estado ocorre três dias antes da votação para formação de uma nova Assembleia Constituinte, proposta pelo governo Maduro.

Os Estados Unidos pediram que Maduro cancele a votação e ameaçam ampliar ainda mais as sanções contra a Venezuela. Nesta semana, o Departamento do Tesouro americano impôs restrições contra 13 autoridades e ex-autoridades venezuelanas.

A oposição diz que as regras eleitorais são manipuladas para fortalecer o poder do governo. Já Maduro acusa os Estados Unidos, a Colômbia e os demais países da Organização dos Estados Americanos (OEA) de tentar interferir em assuntos da Venezuela.

Paralisação

Na Venezuela, a quinta-feira foi marcada pelo segundo dia de paralisação liderada pela oposição. Houve protestos em Caracas e nos municípios de Maracaibo, Valencia, Barquisimeto e Maracay. Centenas de comércios fecharam as portas e as pessoas foram para as ruas para protestar contra a Constituinte.

A oposição alega que mais de 90% dos serviços das principais cidades da Venezuela foram afetados pela paralisação. O governo Maduro, no entanto, diz que os números são inflados.

No comício de encerramento da campanha, Maduro disse que a população da Venezuela vai mostrar «ao imperador Donald Trump que ele não manda no país» e assegurou que a votação pela a nova Assembleia Constituinte será vitoriosa para o governo. «Vamos dar uma lição contra o imperialismo», disse.

Maduro disse também que está disposto a abrir uma mesa de diálogo com a oposição se os líderes revoltosos abandonarem «o caminho da insurreição».

O Ministério do Interior da Venezuela suspendeu as manifestações públicas até domingo e prevê que pode prender quem «perturbar» a votação. A oposição prevê novos protestos nesta sexta-feira.

Ao menos 102 pessoas, a maior parte delas jovens, morreram nos violentos protestos que ocorreram na Venezuela nos últimos meses. Fonte: Associated Press.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos