Foco

ONU vai discutir suspeita de ataque químico na Síria

O Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) será informado na quarta-feira (04), a pedido do Reino Unido e da França, a respeito de um possível ataque com armas químicas na Síria que matou dezenas de pessoas, inclusive 11 crianças, na província de Idlib, no noroeste do país.

A França, os Estados Unidos e o Reino Unido culparam as forças do presidente sírio, Bashar Al-Assad, pelo ataque de terça-feira (04). Os militares sírios negaram qualquer responsabilidade e disseram que jamais usariam tais artefatos.

«Obviamente estamos muito preocupados com o que aconteceu no ataque com armas químicas na Síria, por isso teremos uma reunião de emergência amanhã de manhã na câmara aberta», disse a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, aos repórteres.

Leia mais:
Ataque com gás deixa 58 mortos na Síria; 11 eram menores
Ataques químicos mataram 100 pessoas na Síria, diz grupo de apoio médico

Os EUA presidem o conselho de 15 membros durante o mês de abril. O organismo havia agendado uma reunião mensal a portas fechadas sobre o uso de armas químicas na Síria para a tarde de quarta-feira (05).

O embaixador britânico na ONU, Matthew Rycroft, disse que o ataque em Idlib «demonstra mais uma vez que o regime não irá se deter diante de nada para continuar no poder, nem do uso das armas mais hediondas que se possa imaginar».

Ele disse que um dos motivos para a reunião do Conselho de Segurança é «pressionar aqueles que vetaram uma ação anterior para chamar à responsabilidade aqueles que usaram armas químicas e lhes perguntar qual é seu plano agora».

Em fevereiro, a Rússia, aliada da Síria e com o apoio da China, lançou seu sétimo veto para proteger o governo do presidente Bashar al-Assad contra a ação do conselho, bloqueando uma tentativa das potências ocidentais de impor sanções por acusações de ataques com armas químicas durante os seis anos conflito.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos