logo
Foco
Foco 29/04/2015

Com greve, alunos de escola do Estado são dispensados mais cedo

Aluno Renan dos Santos foi liberado mais cedo algumas vezes | André Porto/Metro

Aluno Renan dos Santos foi liberado mais cedo algumas vezes | André Porto/Metro

Apesar do governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmar que não há greve de professores em São Paulo, a paralisação, que já dura 45 dias, está prejudicando as aulas em várias escolas.

Ontem, o Metro World News visitou colégios da zona oeste e constatou que, por falta de professores, alunos estão ficando ociosos ou sendo dispensados mais cedo.

“Temos cinco professores em greve e não estamos recebendo substitutos. Sem aulas,  os alunos ficam andando pela escola”, disse uma funcionária da E. E. Virgília Rodrigues Alves de Carvalho Pinto, no Jardim Previdência. De acordo com ela, as faltas dos professores em greve não estão sendo registradas pela escola.

O estudante Renan dos Santos, de 18 anos, aluno do 3º colegial do E. E. Sólon Borges dos Reis, no Rio Pequeno, afirmou que sua classe está sendo liberada  mais cedo e que a turma está sem aulas de português e artes.

Em São Vicente, litoral paulista, a  administração da E. E. Maria Thereza da Cunha Pedroso divulga, em uma página no Facebook, quais turmas serão dispensadas por falta de professores.

Segundo a secretaria do colégio, mais da metade dos professores aderiu à paralisação. “O movimento tem sido apoiado de uma maneira geral, tanto pelos alunos como pelos pais”, disse o professor Manuel Antônio Gonçalves, que também aderiu à greve.

A Secretaria de Estado da Educação afirma que a greve não está afetando as aulas e que tem 8.850 professores substitutos de todas as disciplinas, número suficiente para suprir as ausências. Segundo a secretaria, o índice de faltas registrado é de apenas 7% A Apeoesp (sindicato dos professores) afirma 80% dos docentes aderiram à greve.

Os professores reivindicam um aumento de 75% e melhores condições de trabalho, como o número máximo de 25 alunos por sala. Por sua vez, o governo do Estado alega que já ter dado um aumento de 45% para a categoria.