logo
Foco
Foco 28/04/2015

Brasileiro paga preço ‘justo’ por gasolina, afirma presidente da Petrobras

| Simon Plestenjak/Folhapress

“A empresa vai conviver, sim, ainda por um período, com um endividamento que não é o salutar para ela”, afirma Bendine | Simon Plestenjak/Folhapress

O presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, disse nesta terça-feira que o brasileiro paga um preço “justo” pela gasolina. Segundo o executivo, os valores praticados estão dentro da média do mercado mundial, com exceção dos Estados Unidos, e são praticados conforme os custos e margens operacionais da companhia.

“Nossa gasolina não é tão mais cara, quando se compara em unidades de dólar, ao do mercado em geral, como o europeu. Hoje estamos numa condição justa de colocação de preços de derivados e não temos perspectiva de volatilidade em relação a isso”, disse em audiência no Senado.

Ele acrescentou que, diferentemente do Brasil, que adota um modelo mais estável, os americanos operam num quadro volátil, com preços mudando constantemente nas bombas.

Bendini disse ainda que a estatal vai conviver com um endividamento que não é o salutar pelo menos até 2016, e o plano de desinvestimento anunciado pela empresa não será suficiente para resolver o problema de caixa.

A petroleira busca um nível de alavancagem, medido pelo endividamento líquido/Ebitda, de até 3 vezes. “Pretendemos trazer esse indicador para o que estimamos 2,5 a 3 vezes, o que é o salutar para uma empresa desse porte, dentro de um programa, de um lapso de tempo, que não vai se dar no próprio ano ou no próximo ano”, afirmou o executivo.

A companhia terminou 2014 com alavancagem em 4,77 vezes, ante 3,52 vezes em 2013, com um endividamento bruto de R$ 351 bilhões, alta de 31% na comparação anual.