logo
Foco
Foco 26/04/2015

Brasileiro pode não ser executado na Indonésia, diz advogado

Rodriguo Gularte foi preso em 2004 | Reprodução/Band

Rodriguo Gularte foi preso em 2004 | Reprodução/Band

O advogado do brasileiro Rodrigo Gularte – que está no corredor da morte na Indonésia -, Ricky Gunawan, disse, em entrevista à BandNews FM, que está confiante de que o novo recurso que será apresentado nessa segunda-feira na Suprema Corte do país poderá livrar o condenado da execução.

Gunawan afirmou que será apresentado aos juízes um relatório muito mais consistente e completo sobre a esquizofrenia de Rodrigo. Segundo o advogado, o Código Penal da Indonésia isenta doentes mentais de responder por crimes e prevê internação em uma unidade de saúde mental.

Gularte foi preso em 2004, quando tentava entrar na Indonésia com 6 quilos de cocaína escondidos na prancha de surfe. Gunawan disse que ele aparenta uma boa saúde física atualmente, mas têm vários sinais de delírios e não aceitação de que pode ser executado ainda nessa semana.

Perguntado neste domingo sobre os três últimos desejos, Rodrigo disse: “oh, não, não. Nada de três pedidos. Você tá brincando?! É algo como Aladim?

Execução confirmada

O governo da Indonésia informou, neste sábado, à família de Rodrigo de que ele será executado. A data da execução não foi anunciada.

Segundo o Itamaraty, o encarregado de negócios do Brasil na Indonésia se reuniu nos últimos dias com autoridades do país para tentar impedir a execução de Gularte, alegando motivos humanitários.