logo
Foco
Foco 21/04/2015

Nível do Cantareira sobe pelo segundo dia seguido e atinge 15,5%

Represa do rio Cachoeira, que faz parte do sistema Cantareira | Renato César Pereira/Futura Press

Descontado o volume morto, o Sistema Cantareira está 9,3% abaixo do nível mínimo de captação das bombas | Renato César Pereira/Futura Press

O nível do Sistema Cantareira subiu nesta terça-feira (21) pelo segundo dia consecutivo, após nove dias de estabilidade. O volume armazenado atingiu 15,5% da capacidade total do sistema, 0,1% acima do atingido nesta segunda-feira (20). Descontado o volume morto, o Cantareira está 9,3% abaixo do nível mínimo de captação das bombas utilizado antes da crise de abastecimento no estado.

Os dados são da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo).

Com exceção do sistema Alto Cotia, que permaneceu estável em 65,2%, o nível dos demais mananciais que abastecem a Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) caíram desta segunda para terça. O Sistema Alto Tietê passou de 22,3% para 22,2%. O Guarapiranga está com 82,6% (queda de 0,3%). Os sistemas Rio Grande (96%), Alto Tietê e Rio Claro (45%) registraram queda de -0,1%.

Em razão da crise de abastecimento, a Sabesp passou a reduzir gradativamente as áreas atendidas pelo Cantareira. O sistema, que atendia acerca de 9 milhões de pessoas, passou a fornecer água para 5,4 milhões.

A medida mais recente do governo paulista foi incluir, pela primeira vez, o Sistema Rio Grande no abastecimento da capital. Segundo anúncio da semana passada, o manancial passou a atender bairros da zona sul da capital, antes abastecidos pela Represa do Guarapiranga, que agora fornece água a 250 mil pessoas da região do Cantareira.