logo
Foco
Foco 17/04/2015

Prévia da inflação oficial fica em 1,07% em abril, diz IBGE

Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

A maior variação de preço foi o da habitação, com 3,66% | Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial, subiu 1,07% em abril, sobre alta de 1,24% no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa da Reuters com economistas estimava alta de 1,0% para o período.

O índice de abril é o maior para o mês desde 2003, quando atingiu 1,14%. No ano, o índice acumula alta de 4,61%. Entre os gastos pesquisados pelo IBGE, o que apresentou a maior variação de preços foi o de habitação, 3,66%.

Com isso, o indicador acumulou em 12 meses até abril avanço de 8,22%, contra 7,90% em março, nível mais alto desde que chegou a 8,46% em janeiro de 2004, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira.

Assim o indicador permanece bem acima do teto da meta do governo, de 4,5% com margem de 2 pontos percentuais, e permanece perto do nível em que especialistas calculam que a inflação vai encerrar este ano.

Segundo o IBGE, o maior responsável individualmente pelo resultado mensal de abril foi a energia elétrica, com 0,45% após alta de 13,02% no mês. Isso levou o grupo Habitação a registrar a maior alta, de 3,66%, contra 2,78% em março.

Alimentação e Bebidas também pesaram em abril, apesar de o grupo ter desacelerado a alta a 1,04% contra 1,22% no mês anterior. Juntos, os dois grupos responderam por 75,70% do índice de abril, segundo o IBGE, somando 0,81 ponto percentual.

A inflação no país vem sendo fortemente impactada neste início de ano principalmente pelos diferentes reajustes das tarifas de energia elétrica. De acordo com o IBGE, em abril somente a bandeira vermelha vigente nas contas de energia aumentou 83,33 %, passando de 3,00 reais para 5,50 reais.

Assim, os preços administrados permanecem como o maior peso sobre a inflação neste ano, com expectativa de especialistas na pesquisa Focus do Banco Central de alta de 13,0% para esse grupo. Para o IPCA, a expectativa é de avanço de 8,13% ao final de 2015.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central volta a se reunir no final deste mês para decidir sobre a taxa básica de juros Selic, atualmente em 12,75%. No Focus, os especialistas consultados veem manutenção do ritmo de aperto monetário com nova alta de 0,50 ponto percentual, levando a taxa básica de juros a 13,25%.

 

Fipe mostra avanço da inflação em São Paulo

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), na cidade de São Paulo, aumentou com mais intensidade, na segunda prévia de abril, ao passar de uma variação de 0,68% para 0,88%.

O IPC é o mais tradicional indicador da evolução do custo de vida das famílias paulistanas: começou a ser calculado em janeiro de 1939. Desde 1973, o IPC vem sendo calculado pela Fipe.

Dos sete grupos pesquisados, apenas o de transportes apresentou decréscimo: teve alta de 0,05%,  inferior ao registrado na primeira prévia do mês (0,06%). O grupo habitação foi o que mais pressionou o orçamento doméstico com alta de 2,06%, acima da variação registrada na pesquisa anterior.

Os preços dos alimentos tiveram elevação média de 0,47%, superior ao registrado na primeira prévia do mês (0,42%). Em despesas pessoais, o índice subiu de 0,15% para 0,22%; em saúde, de 0,44% para 0,64%; em educação, de 0,07% para 0,11% e, em vestuário, de 0,77% para 0,92%.

A inflação apurada pela Fipe mostra as variações de preços no consumo das famílias com renda de até dez salários mínimos.

A segunda prévia de abril refere-se ao levantamento feito no período de 16 de março a 15 de abril comparado ao período de 15 de fevereiro a 15 de março . Já a primeira prévia do mês ocorreu entre 8 de março a 7 de abril sobre 8 de fevereiro a 7 de março.