logo
Foco
Foco 16/04/2015

Coreia do Sul chora naufrágio que matou mais de 300 em 2014

Parentes das vítimas soltam balões amarelos | Yonhap/Reuters

Parentes das vítimas soltam balões amarelos | Yonhap/Reuters

Centenas de sul-coreanos fizeram nesta quinta-feira um ato para lembrar um ano do naufrágio do navio Sewol, na costa sudoeste do país, que deixou 304 mortos em 16 de abril de 2014.

Bandeiras de edifícios públicos foram hasteadas a meio mastro, e foi observado um minuto de silêncio em Ansan, a cidade que perdeu quase uma turma inteira de estudantes que participavam de uma viagem a uma ilha turística no sul do país.

A embarcação transportava 476 pessoas, sendo 325 estudantes secundaristas de uma mesma escola de Ansan – 250 deles perderam a vida na tragédia.

A investigação apontou uma combinação de fatores que levaram ao acidente: da sobrecarga da balsa à incompetência da tripulação. A lentidão no socorro às vítimas também foi denunciada, assim como a falta de coordenação das equipes de resgate.

A presidente sul-coreana, Park Geun-Hye, prometeu às famílias das vítimas que o governo fará  o necessário para içar a embarcação. A operação deve custar US$ 110 milhões (cerca de R$ 330 milhões).